Rafael Andrade
Tubarão

“Atos como este devem ser repelidos e apurados exemplarmente, vez que afrontam a dignidade do ser humano”. As palavras de indignação são de Silvana Zardo, presidenta da 6ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Tubarão. Ela refere-se à agressão sofrida por um detento do Presídio Regional de Tubarão. Um vídeo gravado na última sexta-feira mostra o chefe de segurança, Carlos Augusto Macedo Mota, proferindo socos e pontapés em um recluso.

O possível ato de fúria do agente teria ocorrido assim que 32 presos chegaram da Penitenciária Sul e Penitenciária de Florianópolis. O grupo havia sido transferido há 40 dias por comportamentos abusivos e incentivo a rebeliões na unidade carcerária tubaronense.

Mota foi afastado nesta terça-feira à tarde, assim que as imagens chegaram às mãos do diretor do Departamento de Administração Prisional (Deap), Adércio Velter. “Vamos nos aprofundar neste caso. Afastamos o funcionário imediatamente. Ele ficará, a princípio, 60 dias afastado ou até que sejam concluídos os processos sobre o caso”, informa Adércio. Uma sindicância e um processo administrativo já foram iniciados.

O secretário estadual de segurança pública, André Luiz Mendes da Silveira, repudiou a suposta conduta do agente e afirmou que é inadmissível este tipo de comportamento no sistema prisional. “As imagens são claras. Não posso tolerar agressão em ambiente de reeducação carcerária”, reforça André.

Reunião
Um encontro entre o agente penitenciário afastado e demais funcionários do Presídio Regional de Tubarão serão chamados nesta quarta-feira para prestar depoimentos sobre os fatos. O diretor da unidade carcerária, Décio Paquelin, também fará esclarecimentos na secretaria estadual de segurança pública. “Fui comunicado sobre o caso ainda nesta terça-feira à tarde. Não admito este tipo de ação nesta unidade. Mas precisamos ser justos e apurar o que realmente houve”, pondera Paquelin.

Superlotação
315 presos estavam reclusos no Presídio Regional de Tubarão até as 21 horas desta terça-feira. O local tem capacidade para 60 pessoas. A tendência é que este número chegue a aproximadamente 330 presidiários até o novo prédio da unidade carcerária, no bairro Bom Pastor, fique pronto, em dezembro.