As autoridades de Porto Rico decretaram nesta terça-feira estado de emergência após um terremoto de magnitude 6,4 que provocou a morte de uma pessoa no sul da ilha caribenha, que ainda luta para se recuperar da devastação que deixaram em 2017 os furacões Irma e Maria.

A vítima, a primeira registrada desde o início de uma série de abalos sísmicos desde 28 de dezembro, é um homem de 73 anos da cidade de Ponce, que faleceu após a queda de um muro de sua casa, de acordo com o jornal El Nuevo Día. Oito pessoas também ficaram feridas em Ponce, infomou a prefeita da cidade, Mayita Meléndez, à emissora de televisão local WAPA.

O sismo de magnitude 6,4 ocorreu às 4h24 locais (5h24 no horário de Brasília), situado a 13,6 quilômetros ao sul da cidade de Ponce, afirmou o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), que chegou a divulgar duas medições – 6,6 e 6,5. Segundo o Centro de Alerta de Tsunami, não há expectativa de ocorrência deste fenômeno. Apenas dez minutos depois, um novo tremor, de magnitude 5,6, ocorreu a algo em torno de oito quilômetros frente à costa sudoeste do país, perto de Tallaboa.

Outro, de magnitude 5,8, foi registrado às 7h18 (8h18 em Brasília), mais de 1,5 quilômetro ao sul dessa localidade. A imprensa relatou falhas no abastecimento de energia elétrica após o terremoto, que ocorreu no meio da noite e espalhou pânico na população. “Toda ilha está sem eletricidade”, afirmou o diretor da Autoridade de Energia Elétrica, José Ortiz, em entrevista à imprensa.

No Twitter, a governadora de Porto Rico, Wanda Vázquez Garced, informou que os protocolos de segurança da ilha foram ativados. Ela também anunciou a suspensão das atividades nas repartições e demais órgãos públicos nesta terça. “Queremos que todos fiquem seguros”, frisou. Usuários das redes sociais descreveram a força do terremoto, que causou pânico na população. “Todo o mundo está acordado e apavorado”, tuitou uma moradora de Porto Rico.

Também foram compartilhadas imagens que pareciam mostrar danos significativos na cidade de Guayanilla, de cerca de 20.000 habitantes, assim como na vizinha Guanica. O prefeito de Guayanilla disse à emissora local NotiUno que a igreja da cidade desabou durante o sismo. Este terremoto é o mais forte de uma série de tremores que abalaram a ilha desde o final de dezembro. Os sismos causaram danos materiais, sem causar vítimas fatais.