Maycon Vianna
Tubarão

Os moradores das proximidades da ponte Manoel Alves dos Santos (do Morrotes) e também do Morro do Becker, no bairro Monte Castelo, estão bastante apreensivos. O motivo? Os assassinatos recentes na ‘vizinhança’ (de Daiane de Oliveira Espíndola, 20 anos, na noite da última terça-feira; e do serralheiro Roge Moreira, 25, no dia 6 de junho).

Quem conhece o local especula que “mais mortes poderão acontecer em breve”. Coincidência ou não, duas pessoas morreram no local, praticamente da mesma forma, com tiros à queima roupa. “Está muito perigoso conviver nesta localidade. Depois das 22 horas, o pessoal nem chega mais perto. Quem atira mesmo tem certeza que é para matar”, confirma o comerciante Camilo Gonçalves, de Tubarão.

Um rapaz de 23 anos, amigo da última vítima, ‘prevê’ que pelo menos mais cinco mortes, sob o argumento de que estas pessoas têm sofrido ameaças.
No fim da tarde de ontem, o comentário era exatamente este na localidade. Nas rodas de conversa, especulava-se sobre quem pode ser o assassino.

“Não deixa vestígios. Com uma moto e de viseira escura, efetua os disparos e foge. É difícil deter um homem tão frio como este”, avalia João Alberto Correa Silva, morador do Morro do Becker. Com a morte de Daiane, o número de homicídios em Tubarão passou para seis de janeiro de 2007 a julho de 2008.