Tubarão

A população de Tubarão vive momentos de medo e revolta. Esta semana, mais uma vez, disparos foram ouvidos e presenciados em vários pontos da cidade. Alguns deles de troca de tiros entre bandidos e a polícia, e outros pelos criminosos entre si, em uma disputa pelo tráfico de drogas.
Ontem à noite, no cemitério central, por volta das 22 horas, um homem de 31 anos foi preso por porte ilegal de arma. Ele apontava um revólver calibre 38 para moradores da localidade. Ao resistir à abordagem e fugir para dentro do cemitério, a polícia efetuou um disparo para detê-lo, que não o atingiu. Ele também possuía 16 munições.

De manhã, um motociclista suspeito foi perseguido pela Polícia Militar. Ele estava perto do Supermercado Althoff e, ao perceber a viatura, fugiu em alta velocidade para Oficinas. Na rua Altamiro Guimarães, no trilho, não acatou a ordem para parar. Os policiais tentaram detê-lo com alguns disparos, mas ele escapou pelas ruas laterais dos trilhos.
No período da tarde, um homem efetuou quatro disparos em uma construção, na rua Padre Dionísio da Cunha Lauth, próximo ao Cettal, na Unisul. Ele portava uma arma semelhante a uma pistola e fugiu em direção ao bairro Morrotes. Os PMs realizaram buscas, mas não o localizaram. Na noite de terça-feira, uma casa foi atingida por tiros na Área Verde. Os policiais fizeram rondas e nada encontraram.

Semana começou com susto

A segunda-feira foi marcada por muita apreensão no bairro Congonhas. Os policiais civis da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Tubarão foram à tarde até o local, em uma ação de combate ao tráfico de entorpecentes. Eles encontraram uma motocicleta com dois ocupantes, que fugiram. Houve troca de tiros e os bandidos foram baleados, e abandonaram o veículo, as drogas, as armas e munições ao lado de uma escola. Um deles fugiu pelo pátio da instituição e deixou professores e alunos em estado de choque. Ele foi preso e o outro continua foragido.