Rafael Andrade
Tubarão

A segunda etapa de fiscalização a supermercados e açougues de Tubarão iniciou terça-feira. Nove estabelecimentos no bairro São João margem esquerda e em Oficinas foram vistoriados. Quase 600 quilos de carne estragada e derivados foram apreendidos.
Ontem, os fiscais vistoriaram o Mercado Público, no centro. Cinquenta quilos de carne inadequada ao consumo humano e 100 quilos de peixe e camarão foram recolhidos. A carne foi encaminhada até a empresa Ossotuba, no Sertão dos Corrêa. Lá, os alimentos foram triturados, cozidos, pressionados, moídos e transformados em farinha para ração de aves e suínos. O peixe foi levado para o Aterro Sanitário Sul, em Laguna.

Uma consumidora estava no Mercado Público na hora da apreensão e afirma que o produto recolhido não estava estragado. Porém, o veterinário da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Carlos Hoffmann, relata que a maioria dos produtos apresentavam validade vencida, rotulagem deficiente não compatível com a legislação vigente, temperatura de conservação inadequada e sem procedência de origem. “Torna-se totalmente inadequado para consumo”, alerta Hoffmann.

Após a operação de ontem, os fiscais participaram de uma reunião no fórum, solicitada pelo promotor de justiça Sandro de Araújo. Ficou acordado que a operação reinicia no próximo mês. O judiciário e os demais órgãos responsáveis pela operação entram em recesso de fim de ano.

Os locais vistoriados foram apontados em denúncias de consumidores e comerciantes ao Ministério Público (MP) de Tubarão. A operação é coordenada pelo MP estadual e conta com a participação de representantes da Cidasc, Vigilância Sanitária Estadual, Polícia Militar Ambiental e Ministério da Agricultura.