Tubarão

Em inspeção na tarde de ontem, no novo Presídio Regional de Tubarão, o secretário de desenvolvimento regional, Haroldo de Oliveira Silva, o Dura, afirmou que no máximo em 40 dias as obras serão totalmente concluídas.
O prazo inicial de entrega era dezembro do ano passado, conforme o contrato, mas precisou ser estendido. E o último estava programado para o último dia 1º. No entanto, a Construtora e Incorporadora Briguenti, empresa responsável pela estrutura física do prédio, pediu mais 30 dias. O secretário disse que o contrato com a Brighenti encerrou no último dia 30, mas os funcionários continuarão os trabalhos. “A partir do término, a unidade ficará à disposição do governo do estado para agendar a data de inauguração”, informou.

Mas, conforme Dura, outro ponto de grande importância é a questão operacional. “Vamos tomar as providências, juntamente com a secretaria de justiça e cidadania e Polícia Militar, no que diz respeito aos agentes penitenciários e policiais militares que vão atuar no presídio. Entrará em funcionamento quando tudo estiver em ordem”, planeja o secretário.

Hoje, 99% das obras estão finalizadas. Faltam somente os acabamentos finais, como a colocação das grades em um dos solários (espaço ao ar livre para os presos), pois um está quase coberto, a última mão de pintura em alguns locais e a limpeza geral.
O sistema de segurança impressionou Dura. “Aqui os presos conseguirão fugir somente se houver falha humana, pois as modernas cercas, e várias portas de acesso e muros, impedirão qualquer tipo de evasão. É um presídio de segurança máxima”, considerou o secretário.

Uma reivindicação antiga
Esperada há muito tempo, a ordem de serviço para a construção do novo Presídio Regional de Tubarão, no bairro Bom Pastor, foi assinada no fim de outubro de 2009. O investimento pelo governo do estado chegou a aproximadamente R$ 6,5 milhões.
O complexo prisional foi construído em uma área de 1.917,18 metros quadrados. Terá capacidade para abrigar 368 detentos – 120 na ala do semiaberto e 248 no regime fechado. Cada cela tem espaço para oito detentos, com exceção das solitárias.

Para onde irão as mulheres?
O novo Presídio Regional de Tubarão não contempla uma ala específica às mulheres. Atualmente, 50 ocupam um espaço improvisado no atual prédio da ‘antiga’ instituição, no bairro Humaitá de Cima. O estado pretende mantê-las no local, mas a comunidade deseja que uma praça seja construída. “Por enquanto, elas ficam lá, isto vamos definir depois com a secretária de justiça e cidadania, Ada de Luca. “Há uma ideia de construir outro prédio menor no terreno ao lado do novo presídio, mas tudo ainda está sendo cogitado”, destacou o secretário regional, Haroldo Silva.