O novo aparelho é mais eficiente do que o atual (foto) porque é mais rápido e independe da permissão da pessoa, que não precisa soprar.
O novo aparelho é mais eficiente do que o atual (foto) porque é mais rápido e independe da permissão da pessoa, que não precisa soprar.

Mirna Graciela
Tubarão

Um novo tipo de bafômetro é testado pela Polícia Militar Rodoviária do estado de São Paulo. O aparelho é capaz de detectar se o motorista está embriagado sem que ele precise soprar, como ocorre com o tradicional.
Chamado de ‘etilômetro passivo’, é preparado para ‘farejar’ o ambiente para a presença do álcool, pois é munido de um sensor eletroquímico sensível. O equipamento é portátil, de fácil utilização, e não requer o uso de bocal.

De fabricação canadense, tem formato de um bastão e é dotado de uma led (lâmpada). A cor da luz indica se o motorista está alcoolizado. Para o policial rodoviário federal Mahal, de Tubarão, esta é mais uma ferramenta que visa garantir a segurança nas estradas. “Será mais eficiente do que os métodos atuais, porque é mais rápido e independe da permissão da pessoa”, explica o policial.

Mahal fez o seu trabalho de conclusão da faculdade sobre os diferentes tipos de bafômetros. E criou um programa que simulava um aparelho virtual. Diante de sua ampla pesquisa, o policial avisa que primeiro tem que dar certo. “Se houver um custo-benefício positivo, acredito que se estenderá a todo o país, chegando também em Santa Catarina”, prevê.

Para Mahal, certamente quando colocado em prática, possibilitará uma mudança de cultura do motorista, pois a possibilidade de ele ser flagrado cometendo esta infração é bem maior. “Por enquanto, é um teste, a proposta é boa, mas podem aparecer, neste meio tempo, outras situações eficientes”, declarou o policial.