Os trigêmeos que morreram afogados no rio Paraná, na cidade de Mundo Novo, no Mato Grosso do Sul, no último sábado (30) estavam realizando o sonho de andar de barco quando a tragédia aconteceu.

Segundo amigos da família, os irmãos – três adolescentes de 13 anos – sempre moraram em Alto Piquiri, município com pouco mais de 10 mil habitantes no interior do Paraná, e sonhavam em ir à praia e andar de barco. 

O passeio, inclusive, foi um presente do piloto da embarcação que também morreu. Marcos Roberto de Campos, de 47 anos, que quis realizar o desejo dos irmãos. 

Bruna Brum e Giovane Brum foram sepultados nesta segunda-feira (2), enquanto o corpo de Bianca Brum ainda não foi localizado. Conforme um dos responsáveis pelas buscas, a extensão do rio Paraná é o principal obstáculo para encontrá-lo. 

“É difícil a localização desses corpos porque o rio Paraná é muito extenso. Então, a gente faz uma varredura numa área bem grande e a tendência de localizar os corpos é só realmente depois que começam a boiar”, explicou José Pinheiro, comandante do 12º SGM do MS. 

Como ocorreu:

A família dos trigêmeos havia viajado até Guaíra, que faz dívida com o Mato Grosso do Sul, para visitar o amigo, quando o homem decidiu levar os adolescentes para fazer um passeio de barco, junto com seu filho de 14 anos. 

Segundo testemunhas, quando eles chegaram a Praia do Sol, uma espécie de banco de areia que fica no meio do rio Paraná, as cinco pessoas que faziam o passeio, desceram do barco e tiraram os coletes salva-vidas para poder tomar banho no rio. No entanto, uma das jovens se afastou e afundou em um trecho do rio, em um provável buraco. Na tentativa de salvá-la, seus dois irmãos foram puxados pelo rio e também morreram afogados.