A 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro), DF, tenta localizar o proprietário de uma Mercedes-Benz Cla 45 AMG automática, de cor branca. O Metrópoles apurou que o veículo pertence a um empresário. Ele tem residência fixa em Taguatinga. Os investigadores querem identificar quem conduzia o carro no momento em que a vendedora de balões Marina Izidoro de Morais, de 63 anos, foi arrastada, por cerca de 100 metros, depois de se negar a dar desconto no preço do produto ao cliente em uma festa junina.

A reportagem foi até a casa do homem na manhã desta segunda-feira (17), em um condomínio de Taguatinga Sul, e confirmou que o carro pertence a ele. Interfonou na casa, mas não conseguiu contato com os moradores. Os advogados dele também não foram localizados. Não se sabe se o homem estava ao volante na hora em que a vítima foi arrastada. Por este motivo, a polícia ainda não divulgou o nome. Os advogados do empresário se comprometeram a apresentá-lo ainda nesta segunda.

Ainda se recuperando do susto, dona Marina descreveu o pânico vivido durante o episódio. “O que eu senti foi desespero. Foi uma cena horrível. Eu não desejo que nenhuma pessoa passe por isso, nunca. Desde ontem (domingo), quando acordei, toda hora que eu lembro, começo a chorar”, contou.

Ela disse que trabalha há quatro anos vendendo balões e nunca imaginou que passaria por situação semelhante. Marina é diarista, trabalha passando roupas em casa de famílias e aos fins de semana vende balões para aumentar a renda. “Estou muito abalada e não conseguirei trabalhar esta semana. Fica o trauma e não sei se ainda quero continuar vendendo balões. Desmarquei todos os meus compromissos. Naquele momento, vi a morte. Não fiquei desacordada. Lembro exatamente de como tudo aconteceu”, destacou.

Dona Marina pede justiça. “Não consigo perdoar o que fizeram comigo. Espero que eles sejam localizados rapidamente. O que esse casal fez foi comigo foi uma tentativa de homicídio. Uma cena de terror”, assinalou.

Arrastada por 100 metros

O caso ocorreu na noite de sábado (15), na Área Especial 1, em frente ao colégio Marista, Taguatinga Sul. A mulher disse que está traumatizada e nasceu de novo após o susto. “Não está doendo nada, só ardendo. Eles me arrastaram e a minha minha cabeça ficou presa entre as rodas do carro. Pensei que fosse morrer”, contou a mulher, enquanto recebia atendimento dos bombeiros.

A vítima relatou que trabalhava no local quando o motorista do Mercedes-Benz aproximou-se dela e pediu três balões. Enquanto a vendedora os separava, a passageira, no banco do carona, pediu um desconto. Como Marina se recusou a vender o produto mais barato, a mulher puxou os balões da mão da idosa e fechou o vidro. Nesse momento, o condutor do carro arrancou em alta velocidade.

Os balões estavam amarrados ao braço de Marina e ela acabou sendo arrastada pelo carro. Somente parou quando as bexigas se soltaram. O motorista usava uma camisa do Flamengo, segundo a vítima.

Testemunhas contaram que, após a ação, o motorista do carro de luxo, adquirido por R$ 220 mil em dezembro do ano passado, fugiu do local. A vendedora foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada para o Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Ela sofreu diversas escoriações pelo corpo.

A mulher prestou queixa na 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul), mas a investigação fica a cargo da 12ª DP (Taguatinga Centro). A ocorrência foi registrada como lesão corporal.