#Pracegover Na foto, Grasiela aparece fazendo selfie
Foto: Reprodução Facebook

A identidade da mulher encontrada morta em 28 de abril no Mar Grosso, em Laguna, foi divulgada pelo Portal Agora Laguna como Grasiela Fermino Pereira, de 27 anos. O corpo foi identificado pelo Instituto Médico Legal (IML) em 6 de maio e de acordo com a Divisão de Investigação Criminal (DIC), o nome e idade dela estavam em sigilo para não atrapalhar as investigações.

O corpo de Grasiela foi encontrado uma rua do Loteamento Ravena, em estado avançado de decomposição. Conforme a polícia, ela estava enrolada em um tecido e poderia estar morta há pelo menos 20 dias.

Conforme a DIC, a perícia não apontou uma causa conclusiva para a morte. Mas informou que a mulher sofria de epilepsia e era usuária de drogas.
Grasiela foi uma das testemunhas do Caso Diego Scott e em um depoimento à polícia relatou ter visto Diego, mas acabou negando a afirmação dizendo estar sob efeito de entorpecentes.

Moradores de Laguna acreditam que a morte de Grasiela foi “queima de arquivo”, mas a hipótese foi refutada pelo delegado Bruno Fernandes, responsável pelas investigações.

“Não há relação com o caso Diego, ela era usuária, tinha crises de epilepsia violentas. A causa da morte foi indefinida, nem a epilepsia se descarta”, comentou o delegado.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul