Rafael Andrade
Braço do Norte

A Polícia Civil de Braço do Norte instaurou um inquérito ontem para apurar as causas da morte de Alessandro Gustavo Siqueira, 9 anos. O menino morreu no Hospital Santa Teresinha, segunda-feira à noite. Duas cartelas de medicamentos foram encontradas na casa da criança, o que levanta a hipótese de que tenha ingerido vários remédios e sofrido intoxicação.
“O quadro clínico do paciente era muito grave assim que ele chegou ao hospital. Fizemos de tudo para reverter a intoxicação, mas ele não resistiu. Assim que o menino chegou na emergência do hospital, ainda consciente, foi indagado pelo médico o que estava sentindo e admitiu ter engolido vários comprimidos. A mãe do menino trazia consigo duas cartelas de comprimidos”, relata a administradora do Hospital Santa Teresinha, Maria Celir Tenfer, a Zê.
Ela lembra também que a equipe médica que atendeu Alessandro pediu a sua transferência para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado, mas o menino não resistiu antes da chegada da ambulância.
Profissionais do Instituto Geral de Perícias (IGP) de Tubarão e agentes da Polícia Civil de Braço do Norte estiveram na casa da família de Alessandro, no bairro Lado da União, terça-feira. Lá, onde foram recolhidas duas cartelas de medicamentos, um para labirintite e outro para o coração. Ele havia vomitado no chão e amostras do material foram recolhidas para análise.
“Vamos delinear melhor as investigações após a conclusão dos primeiros laudos que apontarão a causa da morte do menino”, relata o investigar Alexandre Martimiano. O corpo de Alessandro foi sepultado em Tubarão, ontem de manhã.