São Paulo/Tubarão

Dedicação aos estudos, à família e ao emprego. Assim vivia o tubaronense Richard Fragnani de Morais, o Preto ou Fritz, como era conhecido por amigos e familiares. Ele tinha 40 anos e atuava há 12 na Polícia Federal (PF) de Campinas, interior de São Paulo. Preto foi assassinado na tarde de domingo, nas proximidades do Parque Dom Pedro Shopping, na região central de Campinas.

Ele foi baleado na cabeça. O tubaronense era chefe do setor de investigação da PF de Campinas. As polícias Civil e Federal investigam o caso. Segundo o depoimento de alguns amigos, Preto teria sido jurado de morte por integrantes de uma quadrilha de traficantes há alguns dias. O grupo teria listado cinco policiais federais para executar. Com a morte de tubaronense, quatro já foram mortos nos últimos meses na região de Campinas.

Outra hipótese do crime é um assalto, já que a arma e a carteira com uma pequena quantidade em dinheiro foram levadas. Até o fim da tarde de ontem o assassino continuava solto.

Preto tinha três filhos, gêmeos de 7 anos e um garoto de 12. O corpo do policial chegou ontem a Tubarão e é velado na Funerária Santa Terezinha, no bairro Oficinas. Hoje, às 9 horas, haverá uma missa de corpo presente na Igreja do São Thomé. O sepultamento ocorrerá no Cemitério Horto dos Ipês.