Rafael Andrade
Paulo Lopes

Mais uma tragédia ocorreu no trecho sul da BR-101. Desta vez, no quilômetro 254 da rodovia. Três pessoas morreram em um acidente, ontem manhã, por volta das 6 horas, em Paulo Lopes. Entre as vítimas, duas tubaronenses e um morador de Braço do Norte. A colisão provocou lentidão no trânsito em quase seis quilômetros.

Moradoras de Tubarão, a médica Diélly Cunha de Carvalho, 26 anos, e a sua avó, Leotildes Mendes de Souza da Cunha, 68, não resistiram aos ferimentos e morreram na hora. Elas viajavam em direção a Florianópolis em um Fiat Idea de Tubarão, conduzido por Diélly. O automóvel aquaplanou na pista e bateu de frente em um caminhão com placas de São Lourenço do Sul (RS), guiado pelo gaúcho Eduardo Raddke, 47, que sofreu pequenas escoriações.

Uma Parati de Grão-Pará, conduzida por Jacir Noronha, 30, também se envolveu na colisão. O caroneiro da Parati, Romério Demétrio dos Santos, 35, também teve morte instantânea. Jacir foi encaminhado ao Hospital Regional de São José, na Grande Florianópolis, em estado grave. Ele ainda corre risco de morte.

A irmã de Diélly, a dentista Gislaine Cunha de Carvalho, também ocupante do Idea, ficou gravemente ferida. Ela quebrou os braços e teve hemorragia interna. A jovem foi submetida a duas cirurgias no Hospital Celso Ramos, na capital, ontem e está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O seu estado de saúde é delicado e ela corre risco de morte.

A mãe das jovens, Elenir Cunha de Carvalho, 49, era a quarta pessoa do Idea e sofreu ferimentos leves. Ela ficou em estado de choque e precisou ser encaminhada ao Hospital Celso Ramos.

Socorro agiu com rapidez

Várias ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e do Corpo de Bombeiros de Paulo Lopes, Garopaba e Palhoça deslocaram-se ao local da tragédia em minutos. O helicóptero Arcanjo 3 da Polícia Militar de Florianópolis também foi utilizado no resgate às vítimas.

Gislaine Cunha de Carvalho, 23 anos, e Jacir Noronha dos Santos, 30, foram levados a hospitais da região na aeronave. O socorro rápido pode ter salvo a vida dos sobreviventes, que se recuperam na Grande Florianópolis.
Em virtude da colisão, um enorme congestionamento foi provocado na BR-101, em Paulo Lopes, nos dois sentidos da via. Pequenas batidas traseiras foram registradas devido à fila de veículos.

Até ontem à noite, por volta das 23 horas, as últimas informações eram de que quadro de saúde de Gislaine e Jacir era estável, e eles ainda corriam risco de morte.
As próximas 48 horas são fundamentais para ter noção se Gislaine e Jacir responderam bem às cirurgias. Eles respiram com a ajuda de aparelhos. A jovem dentista tubaronense teve também um traumatismo crânio encefálico.

Amigos desabafam sobre a tragédia

O empresário Rodrigo dos Santos, amigo da médica tubaronense Diélly Cunha de Carvalho, 26 anos, que morreu vítima de acidente em Paulo Lopes, resume que a perda da jovem é imensurável. “Não há muito o que falar em uma hora dessas. Tenho certeza que boa parte da população tubaronense está de luto hoje (ontem) devido à morte de Diélly e de sua avó. As duas eram muito ligadas”, declara Rodrigo.

Jean Luiz Pereira, colega de Romério Demétrio dos Santos, 35, faz um alerta àqueles que utilizam a BR-101. “Chuva forte, vento, nuvens escuras (clima na hora do acidente) geram pouca visibilidade. O correto seria parar o veículo e aguardar que a chuva amenizasse”, orienta Jean.

Muita comoção no velório

Os corpos das duas tubaronenses mortas durante acidente de carro ontem de manhã, em Paulo Lopes, chegaram a Tubarão somente por volta das 18 horas de ontem. O velório iniciou imediatamente, no salão nobre da Unisul, no bairro Dehon.
Centenas de estudantes de medicina e enfermaria, médicos, professores, amigos e familiares de Diélly Cunha de Carvalho, 23 anos, e de sua avó, Leotildes Mendes de Souza da Cunha, 68, passaram pelo velório ontem à noite.

Por volta das 22h30min, os caixões e as dezenas de coroas de flores foram transferidos para o Espaço Integrado de Artes, na Unisul. O pai de Diélly, o professor Emilsson Alano de Carvalho, que leciona há 25 anos na Unisul, recebeu muito apoio de amigos e familiares. Desolado, abraçou o caixão da filha várias vezes. Muitos políticos da região também estiveram presentes para dar as condolências à família.
O governador Leonel Pavan estará em Tubarão hoje de manhã para amparar os familiares.

A missa de corpo presente de Leotildes ocorre às 10h30min de hoje, na Igreja São Francisco de Assis, no bairro Humaitá de Cima, em Tubarão. O sepultamento será no Cemitério Municipal de Gravatal. A missa de corpo presente de Diélly será na Catedral Diocesana de Tubarão, às 16 horas, no Centro. Em seguida, ocorre o sepultamento no Cemitério Horto dos Ipês, no bairro Monte Castelo, também em Tubarão.

Trabalho social

O casal tubaronense que perdeu uma filha ontem de manhã na BR-101, em Paulo Lopes, na Grande Florianópolis, é muito conhecido do meio educacional e empresarial de Tubarão.

Elenir Cunha de Carvalho, 49 anos, que se envolveu no acidente e saiu com ferimentos leves do carro que ficou completamente destruído, é coordenadora da Associação de Promoção e Educação Tubaronense (Aproet). A entidade é responsável por vários centros de educação infantil na cidade. Atende, inclusive, a famílias de baixa renda, e tem parceria direta da secretaria de assistência social da prefeitura e entidades religiosas. Elenir luta para poder acompanhar o sepultamento da filha. Ela está em estado de choque e recupera-se de pequenas escoriações no Hospital Celso Ramos, na capital.

Emilsson é professor há 25 anos da principal universidade da região, a Unisul. Ele participa de inúmeras ações sociais no município.
Diélly Cunha de Carvalho, 23 anos, era solteira. Gislaine Cunha de Carvalho, a outra filha do casal, é casada.
A família viajava à capital para acompanhar a cirurgia de um parente.