Moradores caminharam com faixas, ontem, pelo centro, para protestar contra a instalação do complexo penitenciário.
Moradores caminharam com faixas, ontem, pelo centro, para protestar contra a instalação do complexo penitenciário.

Imaruí

A população de Imaruí foi às ruas, mais uma vez, para dizer não à construção de parte do complexo prisional na cidade. A manifestação ocorreu neste sábado, às 9 horas, na praça Coronel Serafim Silva Matos, no centro.

A reclamação dos moradores é o fato de o prefeito Amarildo Matos de Souza não realizar uma audiência pública para a população participar o debate. O gestor já antecipou que a obra é uma possibilidade, não há nada definido e que irá manifestar-se somente após o governo do estado acenar positivamente.

O diferencial desta última mobilização, segundo a vereadora Elina Vieira Roussenq, foi a presença de um público diferente. “Na outra, os jovens estavam. Nesta foram os adultos”, observa a vereadora.

Hoje, a população participará novamente da sessão no legislativo. O objetivo é sensibilizar os vereadores e cobrar uma posição do prefeito, um dos únicos  gestores de Santa Catarina a enviar proposta formal ao governo para receber a unidade prisional.

O prefeito justifica que a cidade ganhará com a geração de empregos e retorno em imposto sobre serviços (ISS). O complexo prisional terá duas penitenciárias masculinas, um presídio masculino e outro feminino, um hospital de custódia e quatro unidades semiabertas. Cogita-se agora desmembrar este projeto.

Se isso ocorrer, Imaruí poderá receber apenas o hospital de custódia. O restante do complexo ficaria na Grande Florianópolis.