Zahyra Mattar
Tubarão

O tráfico de drogas é um dos maiores problemas de segurança pública que as autoridades policiais de Tubarão enfrentam. Paralelamente à venda de entorpecentes, são crescentes os casos de furtos e assaltos no município. O motivo que levam estes dois últimos crimes a ser multiplicarem é sempre o mesmo: o vício em drogas.

O crescimento desordenado da cidade também leva ao aumento do delito. É visível, porém, a preocupação e a deflagração de ações incisivas e pontuais, seja da Polícia Militar, seja da Polícia Civil, para coibir a proliferação de pontos de venda de entorpecentes. Os obstáculos são muitos. Em Tubarão, existem famílias inteiras com “tradição do crime”. Corta-se uma cabeça. Nascem outras três.

Desde a última sexta-feira, 125 pedras de crack, 42 papelotes de cocaína, maconha e R$ 624,50 foram apreendidos em três operações realizadas pelo Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT) da Polícia Militar de Tubarão. Em uma das operações, houve também o envolvimento de da Agência de Inteligência (AI) da PM.

A última prisão, cujo resultado culminou na apreensão de um maior número de entorpecentes, ocorreu aproximadamente às 23 horas de domingo. Os policiais de uma guarnição do PPT suspeitaram de dois rapazes que andavam em locais não muito seguros e abordou a dupla. Na revista de praxe, encontraram duas pedras de crack com os garotos.

Eles confessaram de quem e onde tinham comprado a droga: uma adolescente de 17 anos, na Área Verde, uma comunidade bastante conhecida na cidade por conta do estouro de vários pontos de drogas pela polícia. A guarnição foi até o local indicado e flagrou o ‘menino’. Ele não esboçou reação.

Confirmou que estava realmente vendendo crack e mostrou onde guardava a droga: embaixo de um azulejo solto no chão.
Ao todo, foram apreendidos 66 pedras de crack e 20 papelotes de cocaína. Junto com o menor, que foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso de Tubarão, a polícia também encontrou R$ 209,50 em dinheiro. Provavelmente, o lucro da noite.