Neste ano, a novidade foi a implantação de mais uma bandeira, a lilás, colocada quando há forte incidência de águas-vivas.

Laguna

O número de mortes por afogamento no período de Carnaval diminuiu em 70% no litoral e em balneários de Santa Catarina em comparação com 2016, segundo comparativo do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina. No último ano, os bombeiros registraram três mortes por afogamento neste período, contra uma neste ano.

Já com relação aos números absolutos de ocorrências, que considera o total de atendimentos feitos pelos 14 batalhões de bombeiros no Estado, o aumento foi de cerca de 15%, ou seja, passou de 2.660 para 3.130 neste Carnaval, representando um aumento de 470 casos. A maioria se refere a atendimentos pré-hospitalares, como socorros prestados a vítimas de acidentes de trânsito, quedas, agressões e outros.

A única morte registrada aconteceu em Mariscal, no município de Bombeiros, no sábado. Na ocasião, um homem de 47 anos entrou na água e teve um mal súbito. Ele chegou a ser socorrido pelos guarda-vidas, mas não foi possível reanimá-lo.

Além disso, o número de pessoas que chegaram a ter algum nível de afogamento, tanto em água doce como em água salgada, mas que foram recuperadas graças à intervenção dos guarda-vidas também aumentou: passou de nove vidas recuperadas no Carnaval de 2016, para 14 no mesmo período de 2017.

Com relação aos arrastamentos, que se referem a quantidade de pessoas que foram salvas pelos guarda-vidas após caírem em correntes marítimas, os números diminuíram. Neste Carnaval, foram 222, enquanto em 2016 foram 290 salvamentos.