A mãe da bebê Helloyse Gabrielle Francisco, morta por asfixia na sexta-feira (20), em Joinville, foi assassinada a tiros na noite desta quarta-feira (25) dentro da própria casa, no bairro Ulysses Guimarães.

 

Maria Helena da Silva Francisco Neto, de 20 anos, foi alvejada com diversos disparos de arma de fogo. Ela chegou a ser atendida pelos Bombeiros, mas não resistiu.  

Testemunhas contam que viram um homem se aproximado da residência em uma moto e efetuou os  disparos contra a mulher. Ela estava no pátio da casa. 

A polícia investiga o crime e trabalha com a hipótese de que Maria Helena tenha sido executada. 

Morte da filha

O marido de Maria Helena foi preso preventivamente e levado ao Presídio Regional de Joinville,  após ser acusado de ter assassinado a filha do casal, Helloyse de apenas 1 ano de idade. 

No dia 20 de dezembro, a menina foi encontra morta dentro de uma piscina, na casa da família. Mas ela não morreu afogada. A causa da morte não foi por afogamento por compressão direta das vias aéreas. A polícia investigava o casal. 

De acordo com a polícia, há contradições nas explicações do pai. A mãe da criança já havia declarado que acreditava na inocência do marido. 

A princípio, ele teria alegado aos policiais que encontrou a menina afogada em uma piscina, mas um laudo revelou que Helloyse foi asfixiada . Ademais, a polícia também observou contradições nas explicações dele.

O homem  onde segue à disposição da Justiça. Maria Helena havia declarado que acreditava na inocência do companheiro.