Maycon Vianna
Tubarão

Em tempos de ‘Lei Seca’, alguns motoristas fazem de tudo para driblar o bafômetro. Porém, a Polícia Militar de Tubarão está bem atenta aos infratores. “Não adianta colocar gelo na boca ou tomar água com gás e vinagre. Os policiais percebem quando o condutor está alcoolizado”, diz o responsável pelo setor de trânsito da PM de Tubarão, tenente Vilson Sperfeld.

O que mais impressiona é um medicamento que surge como uma “pseudo-solução” para a embriaguez. Vendido por aproximadamente R$ 36,00 nas farmácias, o Metadoxil não pode ser comercializado sem prescrição médica. “Vender medicamentos sem a receita é irregular. Caso alguém flagrar um farmacêutico vendendo sem receita, pode ser denunciado ao conselho federal de farmácia”, alerta o membro da comissão de ensino do Conselho Regional de Farmácia, Cleidson Valgas.

Em três farmácias do centro de Tubarão procuradas pela reportagem do Notisul ontem à tarde, a receita para adquirir o medicamento Metadoxil não foi exigida.
Em uma delas, o atendente ainda me ensinou como usar o medicamento com a finalidade de diminuir o álcool do sangue e para poder dirigir depois. “Por favor, você pode me dizer como faço para comprar um medicamento o bafômetro com o Metadoxil?”, questionei o atendente. Ele respondeu imediatamente: “É só tomar depois de beber e esperar uma hora para dirigir que o bafômetro não pegará de jeito nenhum. Pode ter certeza, a galera compra direto. É difícil ter em alguma farmácia”, afirma.

Jovens abusam do uso do Metadoxil
A suposta capacidade de enganar o bafômetro com o medicamento Metadoxil vem do princípio ativo ‘pidolato de pirixodina’, que acelera o metabolismo do álcool, reduzindo a concentração da substância na corrente sanguínea.

Um dado preocupante deixa em alerta os pais e responsáveis pela segurança pública em Tubarão. Os jovens brasileiros procuram mais o Metadoxil do que camisinhas nas farmácias. Segundo o especialista em trânsito Marco Aurélio Silva, de Tubarão, os ‘baladeiros’ são aqueles que fazem mais o uso do medicamento. “Geralmente, os rapazes saem à noite, bebem, e procuram tomar o remédio como alternativa para burlar o teste de alcoolemia”, diz Marco Aurélio Silva.
Ainda de acordo com o especialista, na verdade, o medicamento não engana o bafômetro. “O efeito é diminuir o estado de embriaguez por tempo determinado. Caso o motorista for pego em uma blitz, o risco de levar uma multa é grande”, explica.

Caso de embriaguez é registrado em Tubarão
Um caso de embriaguez ao volante ocorreu por volta das 4 horas de terça-feira em Tubarão. A Polícia Militar realizava uma barreira policial na avenida Marcolino Martins Cabral quando um dos policiais ordenou a parada de um motorista de um Ford Ka, com placas de Tubarão. Ao receber a ordem de parada para averiguação do interior do veículo, o condutor não acatou o pedido e fugiu do local em alta velocidade.

Após ser perseguido, o motorista de 33 anos foi abordado na rua Wenceslau Brás (rua do fórum), na Vila Moema. Ele apresentava sinais de embriaguez, que foi constatada após teste do bafômetro.
O homem foi autuado em flagrante e conduzido à delegacia de delitos de trânsito. O delegado determinou o pagamento de fiança. O condutor pagou o valor estipulado (não divulgado) e, em seguida, foi liberado.
Ele deve responder criminalmente por dirigir sob efeito de álcool.