Ele foi encontrado morto em sua residência após publicar um “pedido de socorro” em sua página no Facebook. Marcos publicou a seguinte mensagem: “não aguento mais”.

Infelizmente, quando seus amigos perceberam, a depressão já havia lhe levado. Em sua página nas redes sociais, centenas de conhecidos, amigos e familiares deixaram mensagens de solidariedade.

O jovem Marcos Olavo, de 23 anos, morador da localidade do Alto São Bento, em Itapema, foi vencido e infelizmente tirou a própria vida.

“Eu vi essa publicação e pensei em conversar com ele, mas não falei nada, por isso muitos tiram a vida, por a gente não tirar um tempo pra conversar, ver o que tá acontecendo! Era um menino bom, menino de ouro sempre sorrindo e alegrando, altas vezes quando eu estava mal e me cortava, ele me dava conselhos e eu agora que ele precisava não fiz nada. Isso me partiu o coração. Eterno Kinho, que Deus possa te guardar e por favor gente não critiquem ele, ninguém sabe o que estava acontecendo”, desabafou uma amiga.

Setembro Amarelo

Segundo a OMS, mais de 90% dos casos de suicídio estão associados a distúrbios mentais e, portanto, podem ser evitados se as causas forem tratadas corretamente. No Brasil, 32 brasileiros tiram a própria vida por dia, o equivalente a uma pessoa a cada 45 minutos. No mundo, ocorre um suicídio a cada 40 segundos. Por isso, ações preventivas são fundamentais para reverter essa situação.

O CVV aposta na educação e na conversa aberta sobre suicídio. “É preciso perder o medo de se falar sobre o assunto. O caminho é quebrar tabus e compartilhar informações”, defende o movimento em seu site.

Segundo o psiquiatra Celso Lopes de Souza, educador e fundador do Programa Semente, já está mais do que comprovado que falar sobre suicídio não agrava a situação. “Muito pelo contrário, pode ajudar a tratar as pessoas que tenham essa intenção”, afirma.