Maycon Vianna
Tubarão

O incidente que envolveu a viatura do Instituto Médico Legal (IML) de Tubarão na sexta-feira passada repercute na cidade. O veículo ficou parado na ponte Nereu Ramos, por volta das 13h30min, até ser guinchado. O fato levantou um questionamento por alguns tubaronenses: o que ocorre quando quebra o único carro do IML? E se necessitar atender uma ocorrência grave? “Como um município com quase 100 mil habitantes tem apenas uma viatura do IML? Não dá para aceitar este tipo de coisa”, opina o comerciante autônomo Marco Aurélio Silva, de Tubarão.

O último problema apresentado pela viatura do IML teria ocorrido na metade do ano passado. Desta vez, o veículo foi encaminhado para uma vistoria em Florianópolis no mesmo dia do incidente e deve ficar pronto na manhã de hoje. “Fazia um bom tempo que não tínhamos problema com esse automóvel. Infelizmente, fomos surpreendidos com o problema em um dia chuvoso e bem em um dos pontos cruciais para fluir o trânsito da cidade”, relata João Martins Filho, funcionário do IML de Tubarão.

Quando ocorre um tipo de problema mecânico ou acidente de trânsito com o carro, o Instituto Médico Legal (IML) de Tubarão pede auxílio às funerárias. “Guardamos a caixa para transportar as vítimas. Temos uma viatura e, quando ocorre este tipo de situação, contactamos as funerárias”, detalha João.

O Instituto Médico Legal de Tubarão já solicitou uma nova viatura para o Instituto Geral de Perícias (IGP), em Florianópolis. Em contato com o Notisul, o IGP confirma o pedido, mas reforça que o governo precisa realizar uma licitação para a compra de um novo automóvel.