Fort Lauderdale, Estados Unidos

Os brasileiros André Maynart Neves, 37 anos, de Pompano Beach, e Juliana Costa, 29, de Boca Raton, moradores do Estado norte-americano da Flórida, ficaram gravemente feridos após o catamarã em que estavam ter sido atingido bruscamente por outro barco, por volta de 22h30min do último sábado (20), na Intracoastal Waterway, em Fort Lauderdale, região Sul da Flórida.

De acordo com informações das autoridades locais, os brasileiros estavam em um catamarã baixo de 22 pés e foram atingidos por trás por uma lancha de 32 pés, cujo piloto era conhecido de André, que é natural de Imbituba. O baque foi tão forte que a lancha atravessou o catamarã e acertou em cheio a cabeça do casal

Os dois foram levados em estado grave para o Broward Health Medical Center e permanecem ligados a aparelhos. André e a família são conhecidos no bairro Vila Nova, em Imbituba, onde residiam e tinham comércio. Atualmente, somente o pai de André permanece residindo no município.

De acordo com uma amiga próxima, Juliana teve morte cerebral decretada neste domingo (21). Já André segue respirando por aparelhos, mas, segundo Alberto Antunes, amigo próximo do imbitubense, o primeiro médico que o atendeu informou a morte cerebral e inclusive queria desligar os aparelhos neste domingo, porém, um segundo médico decidiu aguardar mais 24 horas.

Nesta segunda (22), foi criada uma página no GofundMe em nome do André Neves para ajudar nas despesas hospitalares. Para apoiar, acesse gofundme.com/andre-maynard-neves.

O piloto do outro barco, que mora com o brasileiro, o sul-africano Max Irvine, 36, de Deerfield Beach, estava pilotando a lancha acompanhado de Amanda Macke, 34, de Fort Lauderdale, e não tiveram ferimentos graves, segundo as autoridades.

Um ponto levantado por um amigo ,sobre as causas do acidente foi o fato de o catamarã só ter se danificado na parte traseira, onde a lancha bateu, o que contraria a informação dada por outros veículos de comunicação, de que o brasileiro estaria em alta velocidade. “Se o André estivesse com uma velocidade superior ao limite, o acidente não teria ocorrido desta forma. Ele provavelmente teria batido a frente em algum lugar ou a pancada não teria sido da forma como foi”, destacou o amigo.

“Eu conheço o André há anos. Ele mora na Flórida há mais de 20 anos e sempre gostou de barcos, adorava velejar. Sempre foi muito cuidadoso com isso. Não passava do limite de velocidade e mantinha sempre o barco em ordem. Ele trabalhava com revenda de barcos e entendia tudo de barcos, de navegação. As luzes estavam funcionando perfeitamente”, declarou.

Ele disse ainda que também estava andando de barco horas antes e em contato com André. “Estávamos passeando. Ele no barco dele e eu no meu. Ele estava com o filho e amigos. Eu voltei e horas depois ele deixou todo mundo em casa e provavelmente saiu de novo. Ele estava inclusive com o filho Logan, 4 anos e meio, e outras crianças no mesmo barco horas antes”.

Safe Boating Week

O acidente aconteceu justo no dia em que começou a Safe Boating Week, Semana de Campanha para a Segurança Desportiva de Navegação na Flórida, que começou sábado e foi mencionada pelo governador Rick Scott para coincidir com a Semana Nacional da Campanha.

De acordo com a FWC, houve 714 relatos de acidentes de barco na Flórida no ano passado, que resultou na morte de 67 pessoas.

Fonte: Gazeta Brazilian News