Rafael Andrade
Tubarão

Por pouco, Jucemar Madeira de Araújo, 32 anos, não foi a décima terceira vítima de homicídio em Tubarão este ano. Ele foi atingido por um disparo de arma de fogo que atingiu o seu glúteo, por volta das 11h55mim de ontem.

A tentativa de homicídio ocorreu na rua Silvio Cargnin, bairro Oficinas. Segundo o depoimento de testemunhas, Jucemar tinha acabado de sair de um banco na região e dois homens sobre uma motocicleta CG-Titan vermelha acompanhavam os seus passos.
Quando a vítima passava próximo à Praça Love Story, os bandidos anunciaram o assalto. Jucemar negou-se a entregar o dinheiro e os ladrões atiraram três vezes. Uma bala o atingiu. Ele perdeu muito sangue e teve complicações clínicas antes de ser resgatado.

Os bandidos fugiram sem deixar pistas e Jucemar foi levado ao Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão, onde recebeu os atendimentos necessários. Uma tomografia computadorizada apontou o local exato de onde ficou alojada a bala. Segundo informações dos plantonistas, não haverá a necessidade da retirada do projétil por enquanto, já que não atingiu nenhum órgão e não atrapalhará na recuperação da vítima, que não corre risco de morte.

A Polícia Militar fez várias buscas pelas redondezas do crime atrás dos suspeitos, mas até ontem à noite eles ainda não haviam sido localizados.
Investigadores da Central de Operações (COP) assumiram o caso e também estão à caça dos bandidos.

Últimos homicídios
Há 81 dias, não é registrado homicídio em Tubarão. Na região, já foram assassinadas 28 pessoas – 12 deles na Cidade Azul (dois a mais que no ano passado). Com a ocorrência de ontem, chega a sete o número de tentativas de homicídio.

As operações das polícias Civil e Militar da cidade têm dado resultados positivos e intimidado a ação dos assassinos. Diego de Oliveira Fogaça, 24 anos, foi o último a ser morto. Ele levou um tiro no peito e dois nas costas no dia 24 de junho. O seu corpo foi encontrado jogado na rua Marechal Deodoro, no bairro Cruzeiro.

Leandro Botega, 38 anos, foi assassinado no último dia 8 de junho, com um tiro nas costas, no pátio da sua empresa, no bairro Humaitá de Cima. A bala perfurou um pulmão e saiu pelo abdômen. Dos 12 casos, seis já foram desvendados.