Rafael Andrade
Tubarão

O 12º homicídio em menos de seis meses foi registrado ontem, no bairro Cruzeiro, por volta das 21 horas, em Tubarão. Um homem com idade aproximada de 30 anos, ainda não identificado pelas polícias Militar e Civil da cidade (ele não portava documentos), foi assassinado a tiros – no peito e nas costas. Até o fechamento desta página por volta da 0h25min, os profissionais do Instituto Geral de Perícias (IGP) não haviam precisado quantos tiros a vítima levou.

Moradores da comunidade encontraram o corpo e acionaram a Polícia Militar, que, imediatamente, iniciou as buscas pelo autor ou autores do crime. O corpo estava jogado na beira da rua Marechal Deodoro (principal do bairro Cruzeiro). O local tem acesso fácil à BR-101, o que pode ter facilitado a fuga do homicida.

A perícia feita no local chamou a atenção dos policiais. “Não há vestígio de sangue. Isto é muito estranho e leva a crer que ele tenha sido morto em outro local e jogado aqui”, explica um perito. Não há iluminação pública no local, nem residências. Moradores da localidade foram indagados pelos policiais se conheciam o rapaz. A resposta negativa deixa um ponto de interrogação neste crime. Quem é e por que o mataram?

O último caso de homicídio em Tubarão foi registrado no último dia 8. O empresário Leandro Botega, 38 anos, foi assassinado no dia 8 de junho, com um tiro nas costas, no pátio da sua empresa, a BR Acessórios Peças Para Carretas e Caminhões, no bairro Humaitá de Cima. A bala perfurou o pulmão e saiu pelo abdômen. Leandro morreu poucos minutos depois, por conta de uma hemorragia interna. Ano passado, foram registrados dez homicídios.

Números alarmantes…

Os números de assassinatos este ano são assustadores em Tubarão. Doze casos registrados em menos de seis meses. É uma média de um homicídio a cada 14 dias. O major Giovani Livramento, comandante da 2ª Companhia do 5º Batalhão da Polícia Militar de Tubarão havia alertado na edição de terça-feira do Notisul que o 12º homicídio poderia ocorrer a qualquer momento.

“A criminalidade aumentou muito em nossa cidade. Apreendemos quase que diariamente armas, drogas e veículos furtados. Os homicídios são consequências”, avalia Livramento. Ele referia-se ao caso da criança de 11 anos, que é acusada de tentar matar um jovem de 20 anos no bairro Morrotes, quarta-feira à tarde.

Investigações

Com esta morte, sobe para oito os casos de homicídio que são investigados pelos agentes da Central de Operações Policiais (COP) de Tubarão. O delegado Marcos Ghizoni coordena as investigações. Para dar qualquer informação concreta que possa auxiliar os policiais, o telefone 197 do disque denúncia – anônima ou não – pode ser contatado pela comunidade.

A polícia não descarta a possibilidade de um latrocínio (roubo seguido de morte) no homicídio de ontem, no bairro Cruzeiro, mas, como haviam dois celulares nos bolsos da vítima, esta hipótese tem tudo para ser descartada a qualquer momento.