Um homem foi condenado a 33 anos de prisão em júri popular realizado nesta sexta-feira, dia 22, no município de São Miguel do Oeste, acusado de homicídio duplamente qualificado e corrupção de menores.

 

De acordo com a sentença, Egídio Soares obrigou um adolescente a matar um homem com uma facada em fevereiro de 2015. O crime ocorreu na comunidade Vila Nova II em São Miguel do Oeste.

O julgamento levou dezenas de pessoas ao Fórum da comarca para o acompanhamento dos debates. Os jurados consideraram o réu culpado pelo assassinato de Paulo César Toral. A condenação de 33 anos de prisão é em regime fechado.

O réu ainda terá que pagar R$ 150 mil de indenização às duas filhas da vítima, com dez e seis anos de idade na época do crime, além da mulher do homem assassinado. A defesa de Egídio recorreu da sentença e o processo segue para o Tribunal de Justiça.

Os jurados reconheceram as qualificadoras de motivo fútil e dificuldade de defesa. Em cumprimento à recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que permite ao juiz decretar a prisão imediata do réu ainda no tribunal do júri, o condenado saiu algemado direto para a Unidade Prisional Avançada de São Miguel do Oeste.

 O crime

De acordo com a denúncia, no dia 21 de fevereiro de 2015, por volta de 5h50, Egídio Soares estava em  casa, na Comunidade Vila Nova II, na companhia de dois adolescentes. A vítima se aproximou querendo se juntar ao grupo, mas os demais pediram que o homem saísse.

Um desentendimento entre eles já havia acontecido em uma danceteria, na mesma noite. O grupo afastou Paulo César Toral com socos e pontapés. Mas a vítima se aproximou novamente, com Egídio entregando uma faca a um dos adolescentes para que matasse Paulo, ameaçando matar o jovem se não praticasse o crime.

O menor desferiu uma única facada no peito de Paulo, causando fraturas de costelas, perfurações no pulmão esquerdo e coração, além de hemorragia. Os adolescentes ainda arremessaram pedras na vítima.