Tubarão
 
O efetivo da Guarda Municipal (GM) de Tubarão acompanha desde ontem o horário especial de funcionamento do comércio para o Natal. E os profissionais vão atuar além das 22 horas.
 
“Vamos esperar as portas dos estabelecimentos fecharem e pegar toda a saída do comércio. O fluxo de veículos aumenta neste período, quando os lojistas deslocam-se para casa. Então, nosso trabalho será até a 1 hora da madrugada”, informou o inspetor da GM, Daniel Martins de Oliveira. 
 
Todos os esforços estarão concentrados na parte central da cidade. Segundo o inspetor, as viaturas trafegarão neste local, mas 20 guardas farão o trabalho a pé. “A Casa da Cidadania, o calçadão, as praças 7 de Setembro e Pery Camisão são nosso foco”, detalhou o inspetor. 
 
E não somente no trânsito os guardas municipais marcarão presença. Transmitir segurança aos consumidores nesta época é necessário. “A própria presença da guarda inibe a criminalidade. É nossa obrigação agirmos em um flagrante delito, quando presenciamos uma vítima sendo lesada. Caso contrário, pagamos pela omissão”, esclareceu Daniel.   
 
A operação da GM se estende até a véspera de Natal. Depois, eles voltam ao expediente normal, das 8 às 20 horas. Após este horário, os guardas trabalham com efetivo reduzido. 
 
GM de Capivari de Baixo também atuará no comércio
Os guardas municipais de Capivari de Baixo também mudam seu direcionamento. Até então trabalhavam na vigilância nas unidades escolares, em função da ação de pessoas ligadas ao tráfico nas proximidades. 
Eles atuarão a partir de hoje também nas praças Maximiliano Cardoso Pessoa (da Bandeira) e Heitor Carlos Sabadini Barbosa (do ginásio), e no comércio em geral, das 16 às 22 horas. O trabalho ocorrerá até a véspera de Natal. 
Segundo o secretário de segurança e trânsito da prefeitura, Arleis Flávio Nunes Ribeiro, a medida visa proporcionar tranquilidade à população. “Também aos que estiverem visitando nossa cidade neste período. Com o fim das aulas, o foco agora se volta para este trabalho. As pessoas vão às compras e precisam estar seguras”, destacou o secretário.