Tubarão

O sistema carcerário do sul do estado ainda não sofre com as manifestações dos agentes prisionais. A categoria reivindica ao governo catarinense algumas adequações nos benefícios e salários. No Presídio Regional de Tubarão, no Presídio Santa Augusta e Penitenciária Sul, em Criciúma, nas unidades prisionais avançadas de Laguna e Imbituba, os agentes prosseguem sem manifestação pública.

A classe pede a aprovação de um projeto que regulamente o pagamento do risco de morte (adicional ao salário) a todos os agentes prisionais, incluindo os da área administrativa, a aprovação do projeto do Plano de Cargos e Salários encaminhado pela categoria ao governo em 2006 e o reajuste do valor do vale-alimentação.
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Estadual de Santa Catarina (Sintespe), Mario Antonio da Silva, adianta que as manifestações ocorrem em várias cidades catarinenses, como Florianópolis e Joaçaba.

“Devemos prosseguir neste ritmo até o dia 4. Nesta data, será decretado estado de greve de toda a classe, se o estado não responder às reivindicações”, explica Mario.
“Ganhamos R$ 780,00 de salário base. No total com auxílio-alimentação, horas extras das quais somos obrigados a cumprir, plano de saúde e periculosidade, recebemos em torno de R$ 1,6 mil”, informa o agente prisional Júlio César Silveira Júnior, de Tubarão.