Dois irmãos gêmeos de 29 anos, residentes de São Paulo, Brasil, foram condenados a 30 anos de prisão por violação de crianças e adolescentes e por guardarem e compartilharem imagens de pornografia infantil pela internet.

Os crimes foram cometidos durante dez anos. As vítimas são primas dos agressores.

Os irmãos, que moravam na casa da avó, eram muitas vezes responsáveis pela segurança dos primos mais novos enquanto os pais estavam trabalhando. Contudo, ao contrário do que pensavam os familiares, as crianças eram abusadas sexualmente e vítimas de vários tipos de violência.

A Polícia Federal identificou pelo menos três vítimas, contudo, apenas os crimes cometidos sobre duas crianças seguiram para tribunal porque os abusos à terceira vítima já tinham sido prescritos.

Os crimes considerados válidos em tribunal foram cometidos sobre uma garota e um rapaz que, na época, tinham entre os 5 e os 12 anos.

Em tribunal ficou provado que os atos de violência sexual envolviam penetração, sexo oral e manipulação de órgãos íntimos. Além disso, os agressores privavam as vítimas de água e comida se elas não obedecessem às suas ordens e os obrigavam a ver pornografia infantil.