Rafael Andrade
Tubarão

Três detentos estão foragidos do Presídio Regional de Tubarão. O diretor Fabrício Buss de Medeiros salienta que a estrutura é precária. “Enquanto não ficar pronto o novo prédio, no bairro Bom Pastor, outras fugas podem ocorrer. Vigiamos e realizamos a segurança do presídio à medida do possível”, relata o diretor.

Os foragidos são: Darlan Rufino Pedroso, que fugiu neste fim de semana, quando retirou as tábuas do forro, removeu algumas telhas de barro da instituição, ele removeu algumas e ‘foi embora’. Outra foragida é Maristela Mariano Zim. Ela saiu por um buraco feito com um martelo no muro lateral da ala feminina. Na época, seis presidiárias evadiram-se. Quatro foram recapturadas, uma foi assassinada no início deste mês e Maristela continua na rua. A terceira pessoa procurada pela justiça é Pâmela Simplício. Ela recebeu o direito à saída temporária no fim do ano passado e não retornou. É considerada evadida da instituição.

A unidade prisional tubaronense apresenta deterioração em alguns pontos e a estrutura é frágil. O novo prédio deve ser concluído em novembro do próximo ano. O governo do estado ainda não decidiu o destino do prédio atual após a transferência dos presos. “Uma reforma, com certeza, é necessária”, reforça Fabrício.

Segundo informações de moradores do bairro Morrotes, o fugitivo Darlan foi avistado na comunidade, nas proximidades do Beco do Quilinho. Os três foragidos podem estar na região. Quem tiver informações sobre o paradeiro deles pode ligar anonimamente para o 190.

Casos serão analisados

Amanda Menger
Tubarão

O setor administrativo do Presídio Regional de Tubarão terá muito trabalho até o fim do ano. Isso porque é preciso analisar todos os casos de presos que estão no regime semiaberto.
Cerca de 40 dos mais de 240 detentos têm direito aos indultos de fim de ano. Resta definir quem tem direito à saída temporária de fim de ano e/ou ao indulto de Natal. “É preciso diferenciar os dois. A saída temporária é de sete dias. Os presos do semiaberto têm direito de sair cinco vezes por ano. Já o indulto, é o perdão da pena, e isso depende de um decreto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, explica o diretor do presídio, Fabrício Buss Medeiros.

Nos dois casos, o preso só ganha o benefício após a análise de cada caso pelo juiz. Na última quarta-feira, o juiz criminal Elleston Canali e o promotor criminal substituto, Sandro de Araújo, estiveram no presídio para decidir como será o procedimento neste fim de ano. A decisão é que mesmo aqueles que tenham direito à saída temporária permanecerão na instituição na virada do ano.

Alguns presos, inclusive aqueles que foram permutados com Criciúma, têm direito a mais de uma saída, já que não tiveram regalia no decorrer do ano. Nestes casos, eles se ausentarão duas semanas neste mês, com intervalo de uma, entre cada saída. “Observamos o calendário para que nenhum deles fique fora da unidade nos dia 30 e 31. Se eles não voltarem, são considerados foragidos”, observa Fabrício.
O decreto presidencial estipulará os critérios para a concessão do indulto. “Assim que publicado, iremos analisar as fichas para saber quem tem direito e remeteremos os processos ao fórum. O judiciário entra em recesso dia 18 e só volta no próximo dia 5. Muitos detentos só recebem o indulto em janeiro”, completa Fabrício.