Rafael Andrade
Tubarão

As multas começam a ser emitidas depois de amanhã, este sábado, em vias de Tubarão fiscalizadas por câmeras de monitoramento da Polícia Militar. O período de adaptação (um mês) está perto do fim e já foi notado um diferencial no comportamento de muitos condutores que trafegam pela cidade, como o uso do cinto e os cuidados para não estacionar ou parar em locais proibidos. O sistema tem viés preventivo, é superpositivo e apresenta números interessantes nos municípios que já o adotam, como em Capivari de Baixo, por exemplo, onde, além da redução drástica de infrações viárias, teve também a diminuição dos casos de furtos e roubos. Dá para deduzir que até bandido fica receoso em cometer ilícitos em pontos monitorados.

No entanto, é preciso uma atenção mais especial a todo o contexto do projeto. Tubarão tem quase 110 mil habitantes, cresce de forma muito positiva em várias áreas, mas nem tudo são flores. Há pontos explícitos de tráfico de drogas, corrupção de menores e constantes registros de furtos e assaltos, salvo reconhecer que esses dois últimos em constante redução, graças a um trabalho contínuo executado pelas polícias Militar, Civil e Guarda Municipal, muito devido à frequência de rondas e à rápida de pré e pós-investigação.

Fiscalizar é preciso e o trânsito em uma cidade que tem registrada em seus cadastros, no Ciretran, quase o mesmo número de veículos que de habitantes, a atenção deve ser triplicada neste nicho. Portanto, em virtude de tal crescimento demográfico, Tubarão tem, lógico, sua gama de bandidos, e muitos deles saem à caça de vítimas nas madrugadas. E se o cidadão de bem, que nada tem a ver com o sistema em questão colocado em prática ou com o aumento ou descenso da criminalidade, também prima por segurança, principalmente a sua e de familiares.

A Cidade Azul fica muitos minutos no vermelho. Esta pode ser a cor mais temida por condutores a partir deste sábado: o semáforo ordenando a sua parada. Alguns conjuntos de sinaleiras fazem com que o motorista fique até dois minutos esperando. E, com receio de levar uma notificação por ‘furar’ o tal sinal vermelho, irá aguardar, justamente por ser um cidadão do bem. Mas e a tal turma de bandidos? Pode chegar de qualquer lado e anunciar um crime, justamente pela facilidade (oportunidade) criada. A solução, pedida há meses às autoridades, desde que surgiu a ideia de implantar o sistema na cidade, é simples: deixar o sinal em pisca constante no amarelo, basta trafegar devagar, olhar para os dois lados e prosseguir, sem riscos. Isto já é adotado em dezenas de cidades no país, Criciúma, bem perto daqui, é uma delas. Entre à 0h e 6h é assim que funciona.

“Já fiquei com receio de ser abordado no semáforo em Tubarão. Trabalho à noite e vou para casa sempre entre 1 e 2h. Em alguns dias da semana, dependendo do trecho, é um deserto só. E fico lá, esperando o sinal verde com os dedos cruzados. Agora que vão começar a notificar, não sei se é melhor a multa ou ser um alvo fácil de ladrão”, desabafa o enfermeiro Rodrigo Paes De Biasi.