Algumas mulheres permaneceram em frente à unidade prisional. E garantem que voltam com abaixoassinado e novos protestos.
Algumas mulheres permaneceram em frente à unidade prisional. E garantem que voltam com abaixoassinado e novos protestos.

Mirna Graciela
Tubarão

Um pequeno grupo de parentes dos detentos do Presídio Regional Masculino, no bairro Bom Pastor, em Tubarão, protestou ontem à tarde na unidade para reivindicar mudanças. Eles denunciam que os presos deflagraram greve de fome em manifesto pela falta de água, alimentação de má qualidade e as novas imposições da gerência.
Ontem de manhã, os detentos disseram que não iriam tomar café enquanto o gerente da unidade, Paulo Joarez Damaceno, não os atendesse. Segundo Paulo, eles queriam a liberação da entrega dos dez itens pelos familiares, o que ocorria na outra unidade.

“Esta mudança é necessária, até porque o que os parentes traziam é fornecido pelo presídio, como material de higiene e limpeza”, explicou o gerente, que pensa em autorizar ao menos dois itens.
Paulo justifica que a medida é importante para se ter um maior controle e, com isto, impedir a entrada de drogas e objetos cortantes.

Quanto à água, ele garante que ninguém passa sede, mas o banho é controlado. “Eles têm direito a um por dia, depois que voltam do período ao ar livre, quando tomam sol e jogam bola”, revelou Paulo.
A alimentação é saudável e nos padrões de higiene. Conforme ele, são servidas marmitas de isopor (comida feita na unidade). “Servimos carne, frango, arroz, feijão e frutas de sobremesa. Eles tomam café da manhã, almoçam, lancham e jantam, inclusive é a mesma servida aos funcionários”, garantiu o gerente.

Algumas mulheres telefonaram para a redação do Notisul e reclamaram da redução da periodicidade de visitas íntimas, que antes eram semanais e passaram a ser mensais. Ela também não gostaram com a exigência de exames de Aids, hepatite e outras doenças sexualmente transmissíveis.

Gerente pensa na ressocialização, mas tudo precisa ser analisado

Hoje, 363 detentos estão no Presídio Regional Masculino, no bairro Bom Pastor, em Tubarão – 113 no semiaberto e 250 em regime fechado. Ontem, ocorreram as primeiras transferências de retorno de presos que vieram provisoriamente para a unidade.
Cinco apenados do presídio de Jaraguá do Sul retornaram. Ainda há 30 de Blumenau e cinco de São Joaquim. Todos estes vieram por medidas disciplinares, mas voltarão às suas origens gradativamente.
Os presos têm atendimento de médicos, advogados, psicólogos e técnicos de enfermagem. Estes dois últimos em horário fixo, de segunda a sexta-feira. O gerente pensa em aumentar as chances de trabalho dentro da unidade – hoje tem a Thermosystem. “Mas, temos que analisar bem o tipo de material, pois tudo pode ser transformado para agressões físicas ou fugas”, explicou Paulo.