#ParaTodosVerem Na foto, uma jovem garota morena, vestida de branco, segura um pirulito vermelho. Ela está em cima de uma árvore e olha séria para a câmera
Letícia Nascimento Gonçalves tem 15 anos e saiu de casa no dia 23 de janeiro deste ano - Foto: Arquivo da família | Divulgação

Há exatamente quatro meses, a vida da faxineira Alexsandra Nascimento Machado e o pescador Mauro Sérgio Gonçalves virou do avesso. No dia 23 de janeiro deste ano, após retornarem para casa do supermercado, no bairro Nova Fazenda, em Laguna, perceberam que a filha mais velha, a adolescente Letícia Nascimento Gonçalves, de 15 anos, não estava. Num primeiro momento eles acharam que ela poderia ter ido na casa dos avós, que fica na mesma rua, mas o tempo foi passando e Letícia não retornou. Nesta segunda-feira (23), quatro meses depois daquela tarde de domingo, a família ainda procura por Letícia.

“Eu só não entreguei os pontos porque tenho mais dois filhos e, por eles, preciso batalhar todos os dias. Mas é desesperador. Não sei mais onde ir, o que fazer, onde procurar. É como se ela tivesse sumida da face da terra”, conta Alexsandra. Ela e o marido suplicam por notícias. “A polícia [Civil] está investigando, mas também não tem novas informações. Se eu soubesse pelo menos que ela está bem, já melhoraria, mas não saber nada é a pior coisa do mundo”, chora

Letícia tem aproximadamente 1,55 metro, é magra e morena. Na última vez que foi vista pela família, estava vestida com calça jeans e uma blusa rosa. Alexsandra não sabe o porquê da filha ter saído de casa. Segundo ela, a jovem estava bem e contente no domingo, dia 23 de janeiro. Fez o almoço para os pais e os irmãos, uma menina de 10 anos e um menino, de 5. Logo depois os pais foram ao supermercado com os outros pequenos e ela disse que ficaria em casa. Quando retornaram, por volta das 14 horas, ela não estava mais. Os pais procuraram a polícia no mesmo dia, mas foram orientado a esperar 24 horas (até a segunda-feira, dia 24 de janeiro), para registrar o desaparecimento.

“No mesmo dia percorremos o bairro inteiro, ligamos para outros parentes e amigos, ninguém sabia dizer onde ela estava. Nós não fazemos ideia do que pode ter ocorrido. Só queremos que ela retorne em segurança”, desabafa Alexsandra. A família mudou para a Laguna há cerca de dois anos e meio. Eles residiam em Curitiba, capital do Paraná. Os parentes de Alexsandra são da região lagunar. Quem tiver qualquer informação deve acionar a Polícia Militar, por meio do telefone de emergência 190, ou entrar em contato diretamente com a mãe, no número (41) 99546-4840.

Texto: Zahyra Mattar | Notisul

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul