Familiares da advogada Lucimara Stasiak, de 29 anos, morta pelo companheiro, em Balneário Camboriú, estão a caminho de Santa Catarina após receberem a notícia do crime.

A jovem estava desaparecida desde a última quinta-feira (28) e, após ser assassinada, teve o corpo mantido por Paulo Carvalho de Souza, de 42 anos, dentro do apartamento. Em negociações com a polícia desde as 18h de terça (2), ele ainda não havia se apresentado após mais de 15 horas.

“Ela era uma menina trabalhadora, que lutou pra ser advogada e estudar para ser juíza”, disse Jucelia Rodiak, tia da vítima. “A Lucimara era uma menina muito obediente, que nunca deu trabalho para os pais”, revelou.

“Não era para ter acontecido isso… esse cara estragar os projetos de vida dela e destruir os sonhos que ela tinha”, lamentou a tia. “Tá tudo nas mãos de Deus”, concluiu.

Segundo a polícia, o homem cometeu o crime com requintes de crueldade e afirmava que iria se matar. De acordo com o comandante da Polícia Militar de Balneário Camboriú, coronel Alexandre Coelho Vieira, o odor chama a atenção no local. Vizinhos informaram à polícia que o casal teve uma briga na quinta e, desde então, Lucimara não foi mais localizada.

Sem passagens policiais, o homem tem histórico de problemas psicológicos. A suspeita é que ele tenha sofrido um surto psicótico.