Laguna

Mais dois assassinatos foram desvendados na região, mais precisamente em Laguna. A Polícia Civil, por meio da Divisão de Investigação Criminal (DIC) da Cidade Juliana, identificou um dos suspeitos de cometer o homicídio de Renato Silva dos Santos, o Renatinho, 26, ocorrido no último dia 22 junho , por volta das 22 horas, no bairro Vila Vitória (“Alagamar”).

Segundo as autoridades, a vítima era conhecida no meio policial por cometer inúmeros furtos pela região, o que acarretava a presença policial constante na localidade do “Alagamar”, incomodando os traficantes locais. Renatinho foi perseguido e assassinado com dois disparos de arma de fogo, um na cabeça e outro nas costas. Após os levantamentos, chegou-se ao nome de um jovem de 22 anos, o qual é investigado em outro procedimento policial como sendo membro da organização criminosa Primeiro Grupo Catarinense (PGC).

Em decorrência das investigações sobre sua vinculação ao PGC, foi deferida pelo poder judiciário de Laguna a prisão preventiva do suspeito, a qual foi cumprida durante operações policiais anteriores da DIC, em conjunto com a Polícia Militar. Diante das novas informações coletadas pela equipe de investigação, a autoridade policial representou pela prisão do suspeito no homicídio de Renatinho, a qual foi devidamente deferida pelo judiciário.

Nesta sexta-feira, foi cumprido o mandado. O jovem foi indiciado como o autor do crime de homicídio qualificado, previsto no artigo 121, §2º, incisos “II”, e “IV” do Código Penal. As investigações contaram com o apoio da população, a qual repassou informações fundamentais para o deslinde do caso.

Outro caso
Também nesta sexta, a DIC de Laguna identificou um dos suspeitos de cometer o assassinato do adolescente Filipe dos Santos Rocha, 16. O corpo da vítima foi encontrado no último dia 6 de maio, por volta das 9 horas, na Praia do Gi, onde a polícia acredita ser somente um ponto onde foi deixado, ou seja, o crime não teria ocorrido na localidade. Filipe foi sumariamente executado com diversos disparos de arma de fogo (cabeça, costas e pernas).

A equipe de investigação identificou que o suspeito é um jovem de 26 anos e teria cometido o ato por motivos de vingança e por dívidas de drogas. Em conluio (trama) com indivíduos ainda não identificados, foram atrás da vítima para executá-la. O adolescente estaria, segundo a polícia, devendo para o suspeito e outros traficantes o valor de R$ 700,00 em drogas. O débito não teria sido saldado porque o suspeito de ter matado Filipe, juntamente com outros dois colegas, foram reclusos pouco antes do homicídio, acusados de tráfico de drogas e associação ao tráfico, em uma operação da DIC e Polícia Militar, mas foi libertado no dia seguinte e foi atrás da vítima. Com o grupo do suspeito, durante a operação policial de tráfico de drogas, foi localizado um vídeo onde o grupo ameaçava o adolescente.

O mandado de prisão foi cumprido nas imediações da Balsa. Após os procedimentos, o suspeito foi encaminhado à Unidade Prisional Avançada (UPA), onde aguarda julgamento. Ele foi indiciado como coautor do crime de homicídio qualificado, previsto no art. 121, §2º, incisos “II”, e “IV” do Código Penal. As investigações contaram com o apoio da população, a qual repassou informações.