Mirna Graciela
Tubarão

O caso não está esclarecido e as informações não são oficiais. O que se sabe é que um funcionário do Banco do Brasil (ex-Besc), de Tubarão, aplicou – ou pelo menos tentou – um golpe de R$ 57 milhões.
Um funcionário do BB ouviu alguém comentar dentro da agência a respeito de um estorno bancário. Esta mesma pessoa ‘avisou’ para que não estranhassem se entrasse uma grande quantia de dinheiro em sua conta.
Na tarde desta sexta-feira, por volta das 17h30min, o caso chegou à Central de Plantão Policial (CPP) de Tubarão. Nada foi anunciado à imprensa, mas tudo indica que o funcionário responsável pelo desvio prestou depoimento no início da noite. Neste momento, três funcionários do banco aguardavam na recepção.

Às 19h20min, os três bancários também foram interrogados, juntamente com o primeiro. Foi tudo muito rápido. Em seguida, foram embora, e aparentavam muita tranquilidade.
Informações extra-oficiais dão conta de que o suposto autor do golpe sofria ameaças de uma outra pessoa para a prática do crime.
A direção do Banco do Brasil, bem como os empregados, não se manifestou sobre o assunto. Isso porque existe a suspeita do envolvimento de mais pessoas.

Clientes de Pedras Grandes foram lesados há dois anos

Em março de 2009, muitos clientes do Besc – hoje Banco do Brasil – sentiram a falta de dinheiro em sua contas-poupança. Aos poucos, os casos apareceram, até ganhar proporções assustadoras. Um grande produtor de fumo da região perdeu os R$ 400 mil que estavam guardados na caderneta de poupança.
Os prejuízos atingiram grandes e pequenos investidores. Os ex-gerentes chegaram, na época, a ser presos pela Polícia Civil. Mas ficaram alguns dias detidos no Presídio Regional de Tubarão e foram liberados. Ao todos, são quatro pessoas envolvidas. Além dos ex-gerentes, duas mulheres que possuem grau de parentesco com um deles. O caso segue na justiça.