Maycon Vianna
Laguna

O agente da Unidade Prisional Avançada (UPA) de Laguna denunciado por ingerir bebidas alcoólicas durante o expediente e de ter agredido um detento na última terça-feira defende-se das acusações. Ontem, ele que tudo não passa de um mal-entendido. “Não fiz nada daquilo que me acusam. Desenvolvo meu trabalho normalmente e alguns detentos não gostam de mim e até já me ameaçaram de morte”, revela o agente prisional, afastado da função pelo juiz corregedor Renato Müller Bratti.

O Departamento de Administração Prisional (Deap) já foi informado sobre o caso. Uma sindicância para avaliar a conduta do funcionário deverá ser aberta. “Sinto-me perseguido por muita gente. Prefiro não comentar tudo o que ocorre lá dentro”, diz o agente prisional.

Quarta-feira, o juiz soube da suposta agressão do agente prisional e encaminhou um ofício ao administrador da unidade. “Soube das informações e pedi ao administrador da UPA que encaminhasse o preso supostamente agredido para exames de corpo de delito e que fosse registrado um boletim de ocorrência sobre os fatos”, salienta o corregedor.

Não é a primeira vez que o juiz solicita o afastamento do mesmo agente prisional. “Há praticamente seis anos, ele atuava na administração da UPA e cinco detentos fugiram em momentos distintos. Então, pedi o afastamento dele do cargo. Voltou e parece que cometeu novos erros. Ainda precisamos averiguar melhor o fato”, declara o juiz.