Tubarão

O estado de saúde da dentista tubaronense Gislaine Cunha de Carvalho, 23 anos, piorou muito ontem e foi decretada a sua morte cerebral. Ela está internada no Hospital Regional de São José, na Grande Florianópolis, desde quarta-feira, quando sofreu um grave acidente de carro na BR-101, em Paulo Lopes.

A colisão causou a morte instantânea da irmã de Gislaine, Diélly, 26, e da avó, Leotildes Mendes de Souza, 68. A sua mãe, Elenir, 49, também estava no veículo e continua internada no Hospital Regional, sem risco de morte. Gislaine casou há apenas quatro meses.

Centenas de pessoas passaram pelo Espaço Integrado de Artes da Unisul, em Tubarão, ontem, para se despedir da médica Diélly e da avó Leotildes. A Catedral Diocesana ficou lotada na missa de corpo presente da jovem. O sepultamento ocorreu no Cemitério Horto dos Ipês.

O acidente envolveu um Fiat Idea, conduzido por Diélly, uma Parati de Grão-Pará e um caminhão de São Lourenço (RS). O caminhoneiro não se feriu, mas o caroneiro da Parati, Romério Demétrio dos Santos, 35, morador de Braço do Norte, morreu na hora. O motorista do veículo, Jacir Noronha, 30, também se feriu e segue internado no Hospital Regional.

A médica e a dentista são filhas de Elenir, coordenadora da Associação de Promoção e Educação Tubaronense (Aproet), e Emilson Alano de Carvalho, professor da Unisul há 25 anos.