Guardas municipais participaram da simulação do assassinato de Marcelo. A foto mostra o momento em que os bandidos atiraram.
Guardas municipais participaram da simulação do assassinato de Marcelo. A foto mostra o momento em que os bandidos atiraram.

Mirna Graciela
Tubarão

Uma cena curiosa chamou a atenção das pessoas que passavam nesta sexta-feira, por volta das 12h30min, pela avenida Marechal Deodoro (beira rio), próximo à antiga rodoviária, em Tubarão. Por solicitação do delegado Marcos Ghizoni, foi realizada a reconstituição do assassinato do guarda municipal Marcelo Goulart Silva, 33 anos, ocorrido no último dia 10.

Participaram aproximadamente 20 pessoas, entre guardas municipais, policiais civis e militares, algumas testemunhas que presenciaram a morte de Marcelo e Instituto Geral de Perícia (IGP), com três peritos. A intenção é comprovar uma versão que não ficou bem clara, tirar dúvidas pendentes e complementar o laudo pericial. Através das posições e declarações das testemunhas, pode-se chegar, por exemplo, à conclusão de onde saíram os tiros disparados pelos bandidos de dentro do veículo – se foi disparado pelo motorista ou pelo caroneiro.

As primeiras evidências indicam que Marcelo foi atingido por mais de uma arma, ou seja, pelo menos duas pessoas atiraram contra ele. A reprodução simulada durou cerca de uma hora. O laudo da reconstituição ficará pronto em dez dias. As armas apreendidas com o acusados foram encaminhadas esta semana para exame de balística no Instituto de Criminalística, órgão integrante do Instituto Geral de Perícias, em Florianópolis.