Tubarão

As denúncias de compra de votos por um candidato à assembleia legislativa de Santa Catarina têm sido muito debatidas em bate-papos entre amigos em Tubarão. O tema foi divulgado com exclusividade pelo Notisul. Um inquérito policial já foi instaurado na Central de Polícia Civil. Os primeiros depoimentos devem ser coletados nos próximos dias.

O delegado Damásio Mendes Brito tem 30 dias para concluir o processo, podendo prorrogar por mais 30. O Ministério Público solicitou prioridade no caso, que deve ter um encaminhamento judicial antes mesmo da eleição do segundo turno à presidência da república, no próximo dia 31, entre Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB).

Os eleitores analisam a suposta atitude do político. “Infelizmente, é uma realidade muito comum no Brasil. Tem muito político por aí que precisa comprar votos para se eleger. Tem que prender este tipo de pessoa”, avalia o comerciante Francisco Félix, morador do bairro São Martinho.

“Ainda não chegou nada oficial desta denúncia no meu gabinete. Primeiro, é necessária a conclusão do inquérito policial, depois, um parecer da promotoria e, por último, uma decisão judicial. Pode haver condenação de comprovado ou arquivamento do processo”, explica o juiz Eron Pinter Pizzolatti, titular da 33ª zona eleitoral de Tubarão.