Amanda Menger
Tubarão

Dois homens usam capacetes. Um deles entra no estabelecimento comercial armado. Ele anuncia o assalto, leva o dinheiro das vítimas e foge com o motociclista que o aguarda do lado de fora. A cena é a mesma em diversos assaltos lojas e supermercados em Tubarão e região.

Além da ação rápida, o uso do capacete dificulta a identificação dos agentes. Exatamente por isso, diversas cidades brasileira criaram leis para proibir o uso de capacetes em estabelecimentos comerciais. Tubarão pode entrar nesta lista também.
Na volta do recesso, o vereador Ivo Stapazzol (PMDB) apresentou um projeto de lei neste sentido. “Estes dias, um sobrinho meu parou a moto na frente da minha residência e de capacete entrou no pátio. Eu não reconheci a moto e nem ele. Depois de estar dentro de casa, ele tirou o capacete. Se eu fiquei com medo, imagina o que não passam os comerciantes! Além disso, tem muitos relatos de assaltos com motos e o uso do capacete como uma espécie de ‘máscara’”, afirma o autor da lei.

Após a apresentação, a proposta tramita nas comissões. “Acredito que em mais 30 dias ela estará aprovada. Ainda não definimos se entra em vigor tão logo seja publicada, ou se terá algum tempo de adaptação, porque os comerciantes poderão afixar cartazes proibindo a entrada usando capacete”, diz Ivo.

Caso a pessoa não tire o acessório, ela poderá ser presa. “O comerciante poderá chamar a Polícia Militar em situações como esta”, observa Ivo. O presidente do Conselho Municipal de Segurança, vereador Maurício da Silva (PMDB), apoia o projeto. “Criciúma já adotou esta medida. Acredito que será aprovado aqui também. A intenção é coibir as ações criminosas”, avalia Maurício.