Além de drogas a PF encontrou em uma das casas dos suspeitos um revólver sem registro, do pai do jovem, que também responderá um processo policial   -  Foto:Cyntia Amorim/Engeplus/Divulgação/Notisul
Além de drogas a PF encontrou em uma das casas dos suspeitos um revólver sem registro, do pai do jovem, que também responderá um processo policial - Foto:Cyntia Amorim/Engeplus/Divulgação/Notisul

Capivari de Baixo

Cinco jovens, entre 20 e 30 anos, foram presos provisoriamente nesta sexta-feira pelo crime de comercialização de drogas sintéticas em festas de música eletrônica na região sul do estado.Um dos envolvidos é de Capivari de Baixo, os demais são de Araranguá e Criciúma. 

A Polícia Federal de Santa Catarina comandou a operação e os mandados foram expedidos pela 1º Vara Criminal de Araranguá. O delegado responsável pelo caso, Nelson Luiz Confortin Napp, informou que as investigações iniciaram em abril e apontavam a comercialização de maconha, ecstasy e LSD.

“A principal droga do grupo era ecstasy. Eles traziam os entorpecentes de Florianópolis para vender na região. A denúncia partiu de alguns pais que notaram mudanças no comportamento dos filhos. Com base nas declarações deles, chegamos a um nome e após investigações, descobrimos os outros quatros integrantes. Conversei com um dos envolvidos, que confessou o crime. Falta interrogar os demais”, informa Nelson Luiz.

O delegado também revelou que o mais velho do grupo tem 30 anos e é formado em engenharia civil e os outros ainda são universitários. 

“São jovens de classe diferenciada, que têm perspectiva de vida e que talvez se envolveram em crimes deste tipo por influências dos lugares que frequentam. Até porque o ecstasy é uma droga mais cara”, argumenta Nelson Luiz.

Após os interrogatórios na delegacia da PRF, no bairro Operária Nova, em Criciúma, o grupo será encaminhado ao Presídio Santa Augusta.