Tubarão

Pela segunda vez neste ano, a reinauguração da Casa de Semiliberdade para adolescentes infratores foi cancelada em Tubarão. Os moradores das proximidades do imóvel onde funcionava a Rádio Bandeirantes e a TVBV, no centro – escolhido para sediar provisoriamente a casa – não aceitaram a instalação. O Notisul divulgou a definição do local com exclusividade, na última quinta-feira.

Desde de 2007, o estado, através do Departamento de Justiça e Cidadania (Djuc), almeja abrir a instituição. Houve manifestos em diversos pontos do município. O local só pôde ser aberto em um imóvel alugado, ainda em 2007, em Capivari de Baixo. Funcionou por quase dois anos e fechou por não cumprimento de exigências do proprietário do imóvel.

Na primeira tentativa de reinauguração em Tubarão, em janeiro deste ano, não deu certo, houve manifestação popular. A instalação seria na rua Silvio Cargnin, bairro Oficinas. A Oficina de Arte Comunitária (Odac), responsável pela administração do Centro de Internamento Provisório (CIP), no bairro Bom Pastor, e também pela gerência da Semiliberdade, chegou a investir mais de R$ 50 mil no imóvel de Oficinas. “Ficamos no prejuízo”, lembra Marconi Ribas Mendes, coordenador da Odac.

Na segunda e última tentativa, uma reunião com 50 lideranças comunitárias do centro e representantes do estado, segunda-feira, foi fundamental para o cancelamento da reinauguração da casa.

“A união faz a força”

Alberto Botega, morador de um edifício vizinho à casa da antiga Rádio Bandeirantes e TVBV, comemora a não instalação da Casa de Semiliberdade no local. “A união faz a força. Com diplomacia, conseguimos reverter o acordo do judiciário e do estado”, argumenta Botega.

A decisão partiu da iniciativa do secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, Haroldo de Oliveira Silva, o Dura. “Foi uma decisão bem pensada. Estávamos preocupados com esta casa ao lado das nossas. O local iria desvalorizar os imóveis da região e correríamos algum tipo de risco morando ao lado de menores infratores”, avalia Emílio Savi, síndico do residencial Minas Gerais, onde ocorreu a reunião.
Hoje, Dura e o consultor jurídico da SDR, José Savarin, participam de reunião no Departamento de Justiça e Cidadania (Djuc), em Florianópolis.

“Vamos avaliar as possibilidades para agilizar a reforma de um imóvel do estado, nas proximidades do 5º Batalhão da Polícia Militar, no bairro São João, em Tubarão. Lá, acredito que não haverá restrição popular”, analisa o diretor do Djuc, Itamar Bonelli.

“Vamos avaliar passo a passo como será reformado este imóvel. Uma coisa é certa. É necessária a instalação da Semi ainda este ano. Falamos em violência, mas precisamos oportunizar a recuperação dos nossos jovens”, ressalta Dura.