Wagner da Silva
São Ludgero

A Polícia Civil de São Ludgero investiga, desde a manhã de ontem, o incêndio que atingiu boa parte da câmara de vereadores na madrugada. O fogo já havia tomado grande proporção quando dois guardas noturnos que faziam ronda perceberam e chamaram o Corpo de Bombeiros. Quando chegaram, observaram que a porta principal da câmara estava arrombada. Conforme as informações preliminares dos técnicos periciais, o incêndio foi criminoso. Três focos foram encontrados. Outros três ambientes da casa ficaram pretos por causa da fumaça.

Um destes locais era onde estavam vários arquivos importantes do legislativo. “Ainda houve o risco de uma explosão, pois a válvula de um botijão de gás havia estragado e liberava o gás”, conta o cabo Jeovane Martins, do Corpo de Bombeiros. O plenário, a cozinha e a sala principal ficaram queimados. Nestas três salas, apenas a Bíblia que ficava em cima de uma mesa no plenário ficou intacta. O restante virou carvão e cinza: dois computadores, uma impressora, móveis, material de escritório, um televisor, vários arquivos e também toda a cozinha – geladeira, fogão, pia – foram completamente destruídos.

Na tarde de ontem, o responsável pela delegacia de Polícia Civil de São Ludgero, Agostinho Schlickmann, confirmou que o incêndio foi criminoso. Os dois guardas noturnos prestaram depoimento ainda na tarde de ontem. Eles confirmaram que não viram movimentação, apenas o incêndio e a fumaça que saía das janelas. A perícia técnica foi acionada para analisar as causas do incêndio e deverá concluir o laudo em 30 dias. “Havia vários focos de incêndio. A porta arrombada demonstra que o incêndio foi criminoso”, informa Agostinho.

A câmara de vereadores funciona em um prédio de dois andares. Embaixo, está a sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, que não teve a estrutura abalada, apesar de cerca de 99% do espaço da câmara ter sido consumido pelo fogo. Ninguém ficou ferido. O prédio estava vazio no momento do incêndio – os vereadores estão em recesso.