Rafael Andrade
Laguna

Um homem de 26 anos, acusado de matar o cabo da Polícia Militar Paulo Roberto Coelho, 51 anos, foi preso pelas polícias Civil e Militar, na madrugada de ontem, no bairro Cabeçudas, em Laguna. O homem estava foragido do Presídio Regional de Blumenau, onde aguardava julgamento. Segundo investigadores, ele tinha uma lista com mais três nomes de policiais militares para matar na região.

Ele estava escondido na casa de uma namorada, filha de um conhecido traficante de maconha em Laguna. “Chegamos até ele após receber uma denúncia anônima. Fizemos campana e confirmamos a sua presença na casa. Executamos o atraque e conseguimos êxito na operação”, revela um PM do setor de inteligência.

Quase 700 gramas de maconha de alta qualidade, seis munições de revólver calibre 38 e R$ 525,00 em notas de baixo valor foram apreendidos na casa onde estava o jovem.
Ele foi encaminhado à delegacia de Laguna, prestou depoimento e foi encaminhado à Penitenciária de Segurança Máxima de Criciúma. O jovem deverá ser transferido para Florianópolis ou a Blumenau ainda esta semana.

Além de homicídio, ele deverá responder por tráfico de drogas, roubo, associação ao tráfico e fuga. A sua pena poderá passar os 50 anos de prisão. No entanto, a lei brasileira prevê que o presidiário fica, no máximo, 30 anos recluso em regime fechado, podendo ser beneficiado por progressões de regime e ficar entre oito e 15 anos preso.
O fugitivo estaria em Laguna há um mês. Faltava somente um ano para o cabo Paulo Roberto iria para a reserva (aposentadoria) quando foi morto.

O crime e a lista

Paulo Roberto Coelho foi assassinado no dia 18 de setembro do ano passado. Ele perseguia dois motoqueiros que assaltaram uma lotérica no bairro Areias, em São José. Assim que os bandidos pararam a moto, Paulo desceu da viatura para a abordagem, mas foi surpreendido e atingido por três tiros.
Os homens fugiram e o policial foi levado para o Hospital Regional de São José, onde morreu. Três dias após o crime, o veículo usado pelos acusados foi encontrado no Morro do Pedregal, no Bairro Areias, também em São José.

No mesmo dia, um jovem de 23 anos, suspeito de participação no assalto à lotérica, foi preso. Ele confessou o envolvimento no caso, mas negou ter matado o PM. Em depoimento, confessou que foi o caroneiro da moto de onde foram feitos os disparos em Paulo Roberto. Os nomes dos policiais ‘jurados’ pelo homem não foram divulgados pela polícia por questão de segurança.