Rafael Andrade
Tubarão

Uma cadeia feminina deve mesmo ser instalada em Tubarão, no prédio do atual Presídio Regional. O secretário estadual de segurança pública, André Luiz Mendes da Silveira, confirmou a informação semana passada. O Notisul publicou o planejamento estadual com exclusividade, no último dia 12 de julho.

Mas boa parte dos quase oito mil moradores do bairro Humaitá de Cima, onde fica a unidade carcerária, não se conforma com a manutenção de presos no local. “Não vamos admitir mais detentos aqui em nosso bairro. O terreno pertence à prefeitura de Tubarão e o prefeito Manoel Bertoncini nos disponibilizou para construirmos uma praça. Vamos agir com mais rigidez. Quando o último homem for transferido, vamos destruir o prédio com máquinas, caso o estado não revogue a sua decisão”, ameaça o presidente do Conselho Comunitário do bairro, Edoir da Silva Schomoeller.

André explicou em um encontro na Associação Empresarial de Tubarão (Acit), há três meses, que a ideia do estado é ‘copiar’ Itajaí, onde também é construído um novo presídio. “Lá, vamos utilizar o antigo prédio para manter as mulheres”, relata André.

Em Tubarão, um prédio com capacidade para receber 248 presos é construído no bairro Bom Pastor e deve ficar pronto em dezembro. Anexo ao local, uma ala para receber até 120 detentos do regime semiaberto está pronta e deve ser inaugurada em meados de novembro. Será um complexo com capacidade para 368 presos, um dos maiores do estado.

332
reclusos ocupam as celas e alas provisórias da atual unidade carcerária tubaronense, cuja capacidade é para 60 presos. Se os novos espaços estivessem prontos hoje, no bairro Bom Pastor, 278 homens seriam transferidos. O novo prédio terá capacidade para receber 368.

Abrangência do Cadeião Feminino

O Presídio Feminino de Tubarão atenderá toda a região. Serão 17 cidades. A capacidade ainda não foi estipulada pelo estado, já que o prédio receberá uma reforma logo após os homens deixarem a instituição, em dezembro.