Familiares dos desaparecidos do naufrágio protestaram ontem em frente à empresa   -  Foto:Daniela Kopsch/Arquivo Pessoal/Divulgação/Notisul
Familiares dos desaparecidos do naufrágio protestaram ontem em frente à empresa - Foto:Daniela Kopsch/Arquivo Pessoal/Divulgação/Notisul

Imbituba

Em nota emitida ontem, a Marinha do Brasil informou que as buscas aos seis desaparecidos do naufrágio do barco pesqueiro Jorge Seif Junior, de Itajaí, ocorrido na última quinta-feira, prosseguem de forma ininterrupta e nada mais foi encontrado. As causas do acidente serão apuradas por meio de um Inquérito Administrativo instaurado pela Capitania dos Portos de Santa Catarina, que tem prazo de 90 dias para a sua conclusão.

A Marinha do Brasil permanece nas buscas com o Navio-Patrulha Benevente e uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB). Não há previsão para o encerramento dos trabalhos.

Os sobreviventes e parentes dos tripulantes desaparecidos realizaram um protesto ontem em frente à empresa JS, dona do barco, em Itajaí. Eles reclamaram da falta de informação e de acolhimento. Policiais Militares estiveram no local e, por volta das 12 horas, foi divulgado que o problema tinha sido solucionado.

As famílias relatam que desde quinta-feira a única notícia que passam por telefone é de que não há novas informações. Um representante da empresa afirmou que vai disponibilizar uma sala para atendimento dos parentes dos desaparecidos. Um “acordo verbal” ocorreu na presença da polícia para que seja destacado um funcionário de plantão para acolher as famílias e a saída de uma van na manhã de hoje para levar 12 representantes dos parentes até Imbituba para acompanhar os trabalhos de buscas.

O naufrágio – O naufrágio foi registrado na madrugada da última quinta-feira e resultou na morte de um pescador e seis desaparecidos, todos tripulantes de um barco pesqueiro de Itajaí. O fato ocorreu a 80 quilômetros da costa de Imbituba. Marinha e Aeronáutica atuam no resgate. Dezesseis pessoas sobreviveram.