Mirna Graciela
Laguna

Um dos acusados de participar de um assalto na última quarta-feira, em Laguna, foi reconhecido pelas vítimas ontem de manhã, na delegacia. As três mulheres, duas irmãs de 45 e 50 anos, e a mãe, uma idosa de 84, foram amarradas dentro de casa, na localidade de Cabeçuda, quando dois criminosos roubaram o carro da família.
O rapaz de 21 anos ficou detido na Central de Polícia desde segunda-feira à noite, quando foi preso em uma ação conjunta das Polícias Civil e Militar. Um menor, de 13 anos, suspeito de ter envolvimento no crime, foi apreendido e, depois, liberado.

Após ser interrogado, o mais velho foi solto, ontem mesmo, mas responderá a um inquérito policial por roubo. O delegado Rubem Thomé presidirá o caso. Sete policiais, entre civis da Divisão de Investigações Criminais (DIC) e militares, descobriram a casa em que estava a dupla, no mesmo bairro em que ocorreu o assalto.
Eles montaram campana na segunda-feira, durante o dia todo e, por volta das 22 horas, entraram no pátio e abordaram os dois. O de 21 anos já esteve preso no ano passado pelo mesmo crime, na Unidade Prisional Avançada (UPA) de Laguna.

Mulheres passaram por maus momentos

As três mulheres (duas irmãs de 45 e 50 anos, e a mãe, de 84) saíam de casa, na localidade de Cabeçuda, na última quarta-feira, por volta das 23 horas. Elas foram surpreendidas por dois homens quando estavam dentro do carro.
“Estávamos indo buscar meu filho no Mar Grosso. Antes de eu ligar o carro, alguém bateu no vidro. Achei que era um amigo. Quando abri a porta, ele apontou a arma para mim e disse para descermos”, relatou a motorista, a mais nova.
A partir daí, viveram momentos terríveis. Os bandidos exigiram que todas entrassem na casa. Um deles foi à cozinha, pegou uma faca e mandou a mais nova entrar no quarto. Ela achou que seria morta.

O bandido cortou um lençol em várias tiras e amarrou os braços da idosa. As duas irmãs também tiveram as pernas presas. Os criminosos ordenaram que elas saíssem do quarto somente após meia hora. E levaram o veículo, que ainda não foi localizado.