Vítima estava enterrada em uma cova nos fundos de uma casa localizada na região do Beco da Valdete, no bairro Oficinas  -  Foto:DIC de Tubarão/Divulgação/Notisul
Vítima estava enterrada em uma cova nos fundos de uma casa localizada na região do Beco da Valdete, no bairro Oficinas - Foto:DIC de Tubarão/Divulgação/Notisul

Rafael Andrade
Tubarão

O homicídio ocorrido no bairro Oficinas, na localidade conhecida como Beco da Valdete, em Tubarão, foi elucidado pela Polícia Civil de Tubarão, por meio da Divisão de Investigação Criminal (DIC) da Cidade Azul, com apoio de diligências e troca de informações da Polícia Militar do município, menos de 48 horas após a descoberta do corpo. A vítima foi identificada ontem. 

Familiares reconheceram algumas peças de roupas, anéis e uma tatuagem. Trata-se de Inajara Pedro, de 29 anos. Ela estava desaparecida desde o último mês de junho, quando foi registrado um Boletim de Ocorrência sobre o seu sumiço. As autoridades apontam que ela deveria estar morta há pelo menos três meses, principalmente devido ao avançado estado de decomposição do corpo.

Inajara foi encontrada na noite desta terça-feira, em uma cova de pouco menos de um metro de profundidade, entre algumas bananeiras, nos fundos de uma casa no Beco da Valdete. O imóvel já é conhecido pela polícia por ter sido um ponto de tráfico de entorpecentes.

O corpo da vítima estava enrolado em um cobertor. Após várias diligências investigativas, os integrantes da DIC lograram êxito em identificar os autores do delito, contando com o apoio de agentes de Inteligência da Polícia Militar, que cumpriu o mandado de prisão contra uma mulher de 26 anos, suspeita de ter cometido o assassinato. 

Foi descoberto que ela e a vítima eram usuárias de drogas e possuíam desavenças financeiras e amorosas.  Assim, o crime sucedeu-se após uma luta corporal entre ambas,  momento em que a acusada utilizou uma barra de ferro para estrangular Inajara. Logo após, a suspeita contou com o auxílio de um homem para cavar o buraco e ocultar o cadáver. “Durante a confissão do crime foi possível verificar que o relato convergia com a dinâmica encontrada no local pelos policiais desta especializada, bem como pelos peritos do Instituto Geral de Perícias e Instituto Médico Legal (IML)”, informa um dos integrantes da equipe da DIC.

Portanto, a acusada de ser autora deste, que é o sétimo assassinato em Tubarão neste ano, foi recolhida para prisão temporária no Presídio Regional Feminino. O homem envolvido também está recluso.

As investigações foram coordenadas pelo delegado Ruben Antônio Teston da Silva, o qual reforça a importância da sociedade na colaboração do Disque-Denúncia por meio do telefone 181.

“O entrosamento entre as equipes e a troca de informações foram determinantes para que este homicídio fosse logo elucidado. Destaca-se, ainda, o apoio da população que, por meio de canais seguros denunciou os autores do crime”, destaca uma nota emitida pela PM ontem.

31
Este é o número de homicídios registrados neste ano na região.
 • Laguna – 14
• Tubarão – 7
• Imbituba – 4
• Sangão – 1
• Capivari de Baixo – 1
• Garopaba – 1
• Jaguaruna – 1
• Braço do Norte – 1
• Pedras Grandes – 1