Maycon Vianna
Tubarão

Uma simples conversa ao telefone pode ajudar os investigadores a encontrar a principal suspeita de ter assassinado a garçonete Taiara Mello de Jesus, 31 anos, natural de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, no último dia 27. Ela levou várias facadas quando estava em casa, por volta das 13 horas.

Uma das amigas de Taiara confirma ter conversado por telefone com a acusada, momentos depois de ter ocorrido o crime. Segundo ela, a suposta assassina diz que não lembra do que ocorreu e apenas queria saber, muito nervosa e preocupada, como estava o estado de saúde de Taiara. “Não sei se ela tinha intenção de matá-la. No momento de raiva, os nervos ficam à flor da pele. Quando ela questionou se a vítima (no caso, Taiara) estaria bem, fui bem direta: ‘ela está morta’”, confidencia uma das amigas que trabalhava com Taiara.

Os policiais ainda investigam o caso e são cautelosos em afirmar quem realmente cometeu o homicídio. “Temos alguns indícios que provam o envolvimento de uma mulher que era conhecida da vítima, no entanto, é cedo ainda para afirmar alguma coisa. Tudo isso passa por um processo investigativo muito minucioso”, detalha um policial.
As últimas informações que se tem sobre o paradeiro da principal acusada é que ela teria pego um táxi minutos após o crime no bairro Fábio Silva e teria ido a Capivari de Baixo, de onde depois fugiu para o norte do estado.

Os amigos de Taiara estão indignados e chegaram a fazer um protesto vestidos com camisetas em sua homenagem em uma missa celebrada na Catedral de Tubarão, no último domingo. Os familiares clamam por justiça.