A entrega simbólica dos kits aos guardas municipais ocorreu ontem.
A entrega simbólica dos kits aos guardas municipais ocorreu ontem.

Tubarão

Mudança de atitude, melhoria da autoestima e mais vontade de trabalhar. A análise foi feita ontem pelo secretário de segurança e patrimônio, Carlos Eduardo de Bona Portão, o Preto, na entrega simbólica dos kits aos guardas municipais, na prefeitura.

Eles portam as armas há uma semana. “Percebi nestes dias a grande mudança. Sinto-me honrado em estar ao lado deles, que agora vão às ruas com maior segurança”, destacou Preto. Para o delegado da Polícia Federal em Florianópolis, Ildo Rosa, é de grande valia o acesso a um dos mais importantes direitos, que é o de defesa. “Nós estamos avalizando este projeto, que é o futuro”, afirmou.

Os guardas atuam na Cidade Azul desde 2006. O desejo de portar as armas é antigo. No entanto, junto com isto vem a responsabilidade em usá-las. “Ninguém vai querer dar um de herói. E, em uma situação, é preciso pensar muito antes de usá-las, é o último recurso”, avisou o presidente da associação dos Guardas Municipais, Jader Martins de Freitas.

Segundo ele, todos estão conscientes. “Antes de um disparo, tem o reconhecimento, a verbalização, a força física e o spray de pimenta”, explicou o presidente da associação. Os guardas estarão sempre em constante atualização e participarão dos cursos de reciclagem, oferecidos pela Polícia Federal, na capital.
Também participaram da solenidade representantes das Polícias Civil e Militar.

Os investimentos e os processos para o porte

Cada kit é composto por equipamentos de proteção. Entre eles, o colete balístico, a capa do colete, spray de pimenta, munição e a pistola Taurus PT 59, além de coturnos e o curso de tiro policial defensivo, um investimento de R$ 5,2 mil. Com a melhoria da infraestrutura da secretaria de segurança e patrimônio, onde foi instalado um completo sistema de videomonitoramento e construída em sala-cofre (para armazenar armas e munições), a prefeitura investiu cerca de R$ 315 mil.
O investimento em estruturação, mudança do regime trabalhista dos guardas municipais e o curso realizado na Academia de Polícia Civil, em Florianópolis, foram ações necessários para que a Polícia Federal expedisse o porte de arma de fogo e, assim, a autorização para utilizar os equipamentos em serviço.

Prefeito lembra do guarda assassinado

O prefeito Manoel Bertoncini lembrou a morte do guarda Marcelo da Silva, assassinado em janeiro, após um assalto à relojoaria Orient, no centro de Tubarão. “Um fato chocante, porque é algo que não se recupera. Apesar de todo o esforço, nós já estávamos neste caminho (processo para o porte), mas fica uma dúvida. Será que não teríamos que ter antecipado este processo?”, indagou.
O prefeito ainda fez questão de ressaltar que 70% da GM tem curso superior. “Isto vai nos dificultar a mantê-los na prefeitura, mas vamos tentar melhorar seus ganhos”, declarou.