Foram apreendidos 627 quilos de cocaína, que está na superintendência da Polícia Federal da capital.
Foram apreendidos 627 quilos de cocaína, que está na superintendência da Polícia Federal da capital.

Maycon Vianna
Imbituba

Um dia depois da maior apreensão de cocaína realizada no estado, a Polícia Federal fez a pesagem da droga, na manhã de ontem, em Florianópolis. Dados oficiais divulgados pela PF dão apontam que 627 quilos da droga foram apreendidos. A quantidade divulgada no dia da apreensão era 570 quilos.

No mercado internacional, a venda de toda a droga resultaria em aproximadamente R$ 50 milhões. “Um teste preliminar confirmou que se trata mesmo de cocaína. Um dado interessante é que a droga estava em um fundo falso, não em meio aos 22 mil litros de óleo mineral”, confirma o supervisor do canil da Polícia Civil de Tubarão, Roberto Del Pizzo.

A apreensão foi resultado de uma operação realizado pela Receita Federal e as polícias Federal e Civil. As investigações começaram há dois meses. Elas apontam que a cocaína é procedente do Equador e seria enviada para o Porto de Antuérpia, na Bélgica. “A importação do óleo de palma era para Florianópolis. Depois, já estava prevista a ida do contêiner para a Bélgica, levando parafina líquida, porém, o estado não trabalha com este tipo de produto”, relata o delegado da Polícia Federal, João Vieira.

O delegado tem 90 dias para concluir o inquérito. Pelo menos 50 pessoas devem ser ouvidas hoje, entre elas os donos do contêiner-tanque e da empresa importadora, e funcionários da Receita Federal e do Porto de Imbituba. Ainda não houve prisões. Oito catarinenses podem estar envolvidos.
Esta foi a maior apreensão de cocaína já feita em Santa Catarina e a terceira maior do Brasil. Antes, a maior quantidade já flagrada da droga no estado havia sido 288 quilos, escondidos no fundo falso de um contêiner em Itajaí, em 2005.